Promotoria quer suspender licença de médico de Michael Jackson

Los Angeles, 23 mar (EFE).- A Promotoria que atua no caso da morte de Michael Jackson pediu aos tribunais para que suspendam a licença médica de Conrad Murray enquanto estiver acusado de homicídio culposo pelo falecimento do rei do pop, informou hoje o jornal Los Angeles Times.

EFE |

Médico particular de Michael durante seus últimos anos de vida, Murray ficou em liberdade após pagar fiança em 9 de fevereiro. Ele foi formalmente acusado de ter responsabilidade na morte do cantor, ocorrida em 25 de junho de 2009.

A autópsia determinou que Michael morreu devido a uma intoxicação aguda de medicamentos, especialmente do potente anestésico propofol, que Murray admitiu ter fornecido ao artista para, segundo suas palavras, ajudá-lo a dormir.

Um juiz de Los Angeles fixou uma fiança de US$ 75 mil, retirou o passaporte de Murray e o proibiu de receitar sedativos para seus pacientes.

O médico pagou a fiança e voltou ao trabalho à espera da audiência oral marcada para 5 de abril.

Ontem, vazou para a imprensa a informação de que um dos guarda-costas de Michael Jackson assegurou aos investigadores que Murray interrompeu parou as tentativas de reanimação horas antes de sua morte e atrasou a ligação aos serviços de urgência para recolher e separar os remédios presentes no quarto.

A porta-voz dos advogados de Murray, Miranda Sevcik, este vazamento foi uma "estratégia ridícula" da Promotoria porque "não têm segurança em seu caso para condenar" o médico. EFE fmx/bba

    Leia tudo sobre: michael jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG