Promotor do caso Dorothy diz que está sendo ameaçado de morte há um ano

BRASÍLIA - O promotor Edson Souza denunciou nesta terça, da tribuna da 2ª Vara do Júri de Belém, onde está sendo realizado o novo julgamento do mandante e do executor do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, as ameaças que ele e sua família vêm sofrendo, há cerca de 1 ano. Segundo Souza, as ameaças são feitas em telefonemas anônimos, em que um desconhecido alerta para ele ¿tomar cuidado, porque pode haver tombamento¿. Tombamento, na linguagem rural da região, significa morte.

Agência Brasil |

Divulgação
Vitalmiro Moura e Rayfran Sales no Tribunal do Juri

De acordo com informações divulgadas pelo Tribunal de Justiça do Pará, o promotor fez a denúncia na fase do julgamento destinada aos debates sobre as teses da acusação e da defesa. Edson Souza não soube dizer se as ameaças estariam relacionadas ao caso Dorothy Stang ou a outros processos em que ele também atua na acusação.

O promotor mantém a tese de que a missionária foi morta a mando do fazendeiro Vitalmiro Bastos Moura, o Bida, que pagou Rayfran das Neves Sales para executar o crime.

Divulgação
Irmão de Dorothy acompanha o julgamento
O advogado Eduardo Imbiriba, que defende o fazendeiro, pediu a absolvição de Bida, sustentando a tese de negativa de mando do crime. Ele alegou que não existe prova concreta no processo que incrimine Vitalmiro Bastos Moura.

A defensora pública de Rayfran Sales, Marilda Cantal, procurou convencer os jurados de que o crime não foi encomendado, e que Rayfran só matou a missionária por que se sentia pressionado por ela e pelos colonos que Dorothy defendia. A defensora sustentou a tese de que Rayfran praticou um crime de natureza simples, classificando-o de homicídio simples, ou homicídio privilegiado, cuja condenação é de 6 a 20 anos de prisão.

O novo julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos Moura e de Rayfran das Neves Sales começou nesta segunda-feira na 2ª Vara do Juri de Belém, sob a presidência do juiz Raimundo Alves Flexa, e pode ser concluído ainda hoje.

A missionária Dorothy Stang foi morta com seis tiros em Anapu, a 300 quilômetros da capital paraense, em fevereiro de 2005. Ela trabalhava com a Pastoral da Terra e comandava o programa em uma área autorizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Leia mais sobre: Dorothy Stang

    Leia tudo sobre: dorothy stang

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG