Promotor dá parecer contrário a pedido de progressão de pena para Suzane Richthofen

SÃO PAULO - O promotor Paulo José de Palma, da Vara de Execuções Criminais de Taubaté, encaminhou à Justiça um parecer contrário ao pedido de progressão de pena para o regime semiaberto feito pela defesa de Suzane Von Richthofen, condenada a 39 anos e seis meses de prisão por participar da morte dos pais, em outubro de 2002.

Redação |

O parecer da promotoria foi feito com base em um laudo criminológico anexado ao processo, no qual uma junta médica avaliou se Suzane está ou não apta a ser beneficiada pelo regime semiaberto.

AE

Suzane sendo levada por policiais

O promotor não citou o teor da análise da junta médica, mas afirmou que a mudança do regime de prisão de Suzane seria um risco para a sociedade, pois ela apresenta "personalidade manipuladora e dissimuladora, demonstrada não apenas pela forma com que se preparou para a prática dos crimes, mas também por seu comportamento posterior, como a presença chorosa no velório e sepultamento dos pais, mentira dita ao irmão e participação no programa de televisão de abrangência nacional, agindo sob orientação de seu advogado, fatos esses que, como se sabe, são públicos e notórios.

O advogado de Suzane fez o pedido de progressão junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), alegando que ela já cumpriu um sexto da pena.

Um juiz da Segunda Vara de Execuções de Taubaté vai receber o parecer do Ministério Público e, a partir da publicação da intimação pela promotoria, a defesa de Suzane tem cinco dias para se manifestar. Então, o juiz decide se concede a progressão de pena para a presidiária.

Leia mais sobre : Suzane Von Richthofen

    Leia tudo sobre: assassinatopenasuzane von richthofen

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG