Programa de reciclagem melhora vida de famílias pobres no Ceará

Jaime Ortega Carrascal. Fortaleza, 4 mar (EFE).- Trocar lixo por créditos de energia se transformou em uma fonte adicional de renda para famílias pobres do Ceará graças a um programa de reciclagem que, além disso, ajuda a preservar o meio ambiente e promove a inclusão social.

EFE |

O programa Ecoelce, implantado em fevereiro de 2007 pela distribuidora de energia elétrica Coelce, empresa do grupo espanhol Endesa e que atua no Ceará, estimula seus clientes residenciais e empresariais a separar os resíduos sólidos e entregá-los em pontos de coleta onde são pesados e transformados em créditos em reais para o pagamento das contas de luz.

Os benefícios do programa não se limitam aos usuários que entregam os materiais recicláveis, tais como plástico, papel, papelão, vidro e metais, mas se estende a cooperativas de bairros pobres aos quais a empresa doa os resíduos para a fabricação de canos e vassouras, entre outros artigos.

A iniciativa recebeu nesta quarta-feira uma menção na seção espanhola do Prêmio Europeu do Meio Ambiente à Empresa 2009/2010 na categoria de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Sustentável.

Desde que foi implantado, o Ecoelce recebeu a inscrição de 220 mil clientes. O programa reciclou cerca de 8.500 toneladas de materiais e concedeu descontos nas contas de luz de quase R$ 1 milhão.

Com os créditos acumulados, muitos clientes de baixa renda acabaram zerando a fatura. É o caso de Maria Gorete Costa Oliveira, de 50 anos, moradora do bairro Vila Ellery, em Fortaleza. Ela não paga a conta de luz há 17 meses.

"Antes pagávamos uns R$ 50 de luz, e o só fato de não ter que pagar essa conta já nos deixa satisfeitos", explica a mulher, visitante assídua de um dos 60 pontos de coleta de materiais recicláveis distribuídos por todo o Ceará.

Maria Gorete sonha agora com ganhar uma das dez mil geladeiras sorteadas anualmente pela empresa entre famílias pobres que reciclam para que substituam os equipamentos velhos, que consomem mais energia, por outros de maior eficiência e menor despesa de eletricidade.

As empresas ou clientes de alta renda que se inscreveram no programa pagam normalmente suas contas de luz e doam os créditos obtidos com a reciclagem a sete instituições beneficentes previamente inscritas no Ecoelce.

Segundo o diretor de Relações Institucionais, Comunicação e Responsabilidade Social da Endesa Brasil, Eugenio Cabanes Durán, há gente que não precisa dos créditos de energia, mas se inscreve no programa por "consciência ecológica".

"O Ecoelce sintetiza o compromisso da Endesa com a sustentabilidade ao contemplar simultaneamente aspectos sociais, econômicos e ambientais", disse Cabanes à Efe.

A Endesa Brasil, que opera nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia, considera que o balanço do programa Ecoelce em seus primeiros três anos é mais do que satisfatório. As 2,35 toneladas de papel recicladas evitaram o corte de 79 mil árvores e permitiram uma economia de 220 milhões de litros de água, por exemplo.

Mais recentemente, o programa começou a receber também embalagens longa vida e óleo de cozinha usado.

A iniciativa foi estendida pela empresa à Ampla, distribuidora de energia no estado do Rio de Janeiro, e tomada pela Endesa como projeto piloto para sua implantação progressiva nas demais empresas do grupo na América Latina.

"O Ecoelce é um exemplo do que se pode fazer com poucos recursos financeiros orientados a resultados concretos", apontou Cabanes.

O Ecoelce foi agraciado em 2008 no World Business and Development Awards, premiação organizada pela ONU para reconhecer a contribuição de empresas aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. EFE joc/bba

    Leia tudo sobre: ceará

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG