Reunidos em assembleia na tarde de hoje, professores da rede estadual de ensino de São Paulo votaram por não entrar em greve enquanto correrem as negociações acerca de dois projetos de lei - de autoria do governador José Serra (PSDB) - para a pasta. A decisão foi tomada em frente à Assembleia Legislativa do Estado e, segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), reuniu cerca de cinco mil professores.

Já a assessoria do órgão legislativo declarou que foram cerca de 1,2 mil.

Os professores decidiram permanecer em estado de greve, isto é, continuar trabalhando, mas mobilizados e debatendo a pauta de reivindicações nos locais de trabalho. Os projetos de Lei 19 e 20 instituem novas regras para a contratação de professores e apresenta a criação de duas novas jornadas de trabalho. Ambas as propostas foram temas de audiência pública entre os deputados estaduais e representantes da categoria, além do secretário de Educação, Paulo Renato Soares. Os debates ocorreram paralelamente às manifestações dos professores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.