Professores de São Paulo anunciam greve por tempo indeterminado

SÃO PAULO - Os professores da rede estadual de ensino de São Paulo decretaram, nesta sexta-feira, greve por tempo indeterminado. Os manifestantes realizaram passeata na região da Avenida Paulista. O protesto foi finalizado às 19h07.

Redação |

AE
Professores protestam no centro de São Paulo

A greve começa na segunda-feira, mas não há estimativa para o número de adesões. Nesta sexta, cerca de 30 mil professores se reuniram em assembléia na Praça da República, no centro de São Paulo.

Os profissionais reivindicam a anulação do decreto 53037/08 que, segundo a Apeoesp, impede a utilização do artigo 22, que permite ao professor inscrever-se para concorrer a uma vaga em escola mais próximo do município de residência; estabelece avaliação de desempenho aos ACTs; dificulta participação nos concursos de remoção e propõe atribuição de aulas compulsoriamente.

Além disso, a classe quer a revogação da Lei Completar 1041, que limita o número de faltas por razões médicas para os professores.

Os professores só voltarão ao trabalho quando o governador Serra resolver conversar conosco para acabar com o decreto, revogar a lei que impede o acesso de nossos companheiros à saúde e discutir o respeito à data-base, afirmou o professor Ariovaldo Camargo, ex-secretário da Apeoesp e atual Secretário de Finanças da CUT-SP.

Uma nova assembléia acontecerá na próxima sexta-feira, dia 20 de junho, no vão do Masp, na Avenida Paulista. Nesta data, as 94 subsedes da Apeoesp também realizarão assembléias regionais.

Governo lamenta greve

O Governo do Estado de São Paulo, em nota oficial, afirma lamentar a decisão da Apeoesp. Segundo a secretaria de Educação, menos de 2% dos 250 mil professores na rede estadual estiveram nesta sexta-feira em frente à sede da secretaria.

"A decisão de regular as transferências de professores foi adotada com o objetivo de melhorar o aproveitamento escolar, garantindo a continuidade do trabalho pedagógico e o estreitamento na relação entre mestres e alunos. Somente neste ano quase metade dos professores efetivos mudou de escola, o que prejudica sobremaneira a aprendizagem dos alunos", diz a nota.

Segundo a nota, em pelo menos 5 vezes secretários de governo se reuniram com a Apeoesp, que infelizmente deixou de pensar nos alunos ao tomar a decisão de paralisar as atividades de parte dos professores.

A secretaria afirma que a normalização das aulas depende somente dos professores e não há um "plano de emergência" caso a greve se concretize.

Leia mais sobre: greve de professores

    Leia tudo sobre: greve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG