Os professores da rede estadual de ensino de São Paulo decidiram hoje, em assembléia, entrar em greve por tempo indeterminado a partir de hoje. Segundo o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o protesto é, principalmente, contra o Decreto 53.

037, assinado pelo governador José Serra (PSDB) no dia 28, que altera remoções, substituições e contratações temporárias da categoria.

Eles pedem também reajuste salarial, plano de carreira, extensão de gratificações a professores aposentados e melhores condições de trabalho em sala de aula. Entre as reivindicações de uma pauta entregue em janeiro a Serra, estão ainda a limitação de 35 alunos por turma e o fim da progressão continuada dos estudantes.

Hoje, cerca de 5 mil professores, segundo a Polícia Militar (PM), ou 30 mil, conforme a Apeoesp, realizaram uma passeata na capital. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os manifestantes seguiram rumo ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), ocupando vias desde o cruzamento da Rua da Consolação com a Avenida Paulista até a Praça Franklin Roosevelt.

Em nota, o governo do Estado lamentou a decisão da Apeoesp. Conforme o governo estadual, "menos de 2% dos 250 mil professores na rede estadual estiveram nesta sexta-feira, 13 de junho, em frente à sede da secretaria". "Não se justifica o voto de um grupo de professores à paralisação, exceto por motivação política", diz o comunicado. "A decisão de regular as transferências de professores foi adotada com o objetivo de melhorar o aproveitamento escolar, garantindo a continuidade do trabalho pedagógico e o estreitamento na relação entre mestres e alunos", alegou a secretaria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.