SÃO PAULO - Uma nova descoberta reforçou a suspeita da polícia de que o advogado e professor-doutor de Direito da Universidade de São Paulo (USP), Renato Ventura Ribeiro, http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/04/23/professor+de+direito+da+usp+mata+filho+e+se+suicida+5684936.htmltenha premeditado o assassinato do próprio filho, de 5 anos, e o suicídio. Conforme a investigação, comandada pelo 16º Distrito Policial, Ribeiro obteve no dia 20 de fevereiro deste ano o certificado de um curso de tiro.

Os corpos dos dois foram encontrados com marcas de tiros nesta quarta-feira no apartamento do professor, na Vila Clementino, zona sul de São Paulo, pela faxineira.

O corpo do menino Luis Renato Menina Ventura Ribeiro, que tinha marca de tiro na nuca, foi sepultado nesta quinta-feira à tarde, sob forte chuva, no Cemitério dos Girassóis, em Parelheiros, na zona sul de São Paulo. A família do garoto proibiu a entrada da imprensa. Até o fim da tarde o corpo do professor permanecia no Instituto Médico-Legal.

O caso

A tragédia aconteceu no feriado prolongado de Tiradentes, no apartamento 126 da Avenida Senador Casemiro da Rocha, 1.257, na Vila Clementino. Os corpos só foram encontrados na quarta-feira.

A Polícia Civil não sabe definir exatamente quando ocorreu o crime, mas apurou que a mãe da criança, Fabiane Hungaro Menina, de 37 anos, entregou o filho ao pai na sexta-feira à tarde.

Ele deveria ficar com a criança só até domingo. Como não apareceu, Fabiane prestou queixa no 16º DP (Vila Clementino) no domingo e na segunda-feira. Foi registrado um boletim de ocorrência por "subtração de incapaz", segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Como a criança não apareceu até a quarta-feira, a advogada recorreu à Delegacia de Defesa da Mulher, onde foi instaurado um inquérito sobre o caso e solicitadas fotos do pai e da criança.

Luís Renato foi fruto de um relacionamento de seis meses do casal. O pai sempre quis a guarda do filho e, por isso, entrou com ação na Justiça.

Assista à reportagem:

Leia mais sobre violência

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.