Professor diz que Declaração dos Direitos Humanos esbarra em questões políticas

BRASÍLIA - Aspectos políticos dificultam a aplicação, em algumas nações, dos preceitos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa nesta quarta-feira (10) 60 anos, avalia o professor de história e pedagogo Ricardo Barros. ¿Ainda há governos autoritários que não cumprem a declaração com o devido respeito¿, disse em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Agência Brasil |

Elaborada pela Organização das Nações Unidas (ONU) logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos contém uma série de recomendações no sentido de que, por meio da educação e da cultura, os países contribuam para que os direitos humanos sejam respeitados e exista harmonia na convivência entre as nações.

No Brasil, ressaltou Barros, a aplicação da declaração dos direitos humanos tem avançado nos últimos anos. A Declaração dos Direitos Humanos não tem força de lei, mas ajuda como base na formulação de outros documentos. Diversas constituições que asseguram a vida em sociedade foram baseadas nessa declaração. No Brasil, sem dúvida nenhuma, há uma grande referência em diversas leis a essa declaração, disse o historiador.

Para ele, os 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos devem ser comemorados. Essa declaração é uma conquista da humanidade. Portanto, hoje imaginar o mundo sem ela é algo bastante difícil. Ela nasceu em um contexto muito difícil, após a Segunda Guerra Mundial, quando o mundo procurava uma situação de paz. E a declaração veio com esse intuito de garantir essa paz e a harmonia entre os povos, destacou.

Acredito que há motivos para comemorar mais um ano de declaração porque sem ela o mundo seria bastante diferente. Ela é muito importante para a humanidade e deve ser comemorada, completou.

Leia também:

Leia mais sobre: Direitos Humanos

    Leia tudo sobre: direitos humanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG