Procuradores querem civis nas buscas no Araguaia

Procuradores da República querem que civis comandem as buscas pelos corpos de guerrilheiros que lutaram no Araguaia. Em ofício encaminhado ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, no mês passado, os procuradores afirmam que as Forças Armadas devem participar das buscas, desde que comandadas por autoridades civis.

Agência Estado |

Em que pese o amplo respeito que as Forças Armadas merecem em nosso País, parece-nos não ser recomendável que a colheita de elementos sobre violações aos direitos humanos praticadas no passado com envolvimento dessa instituição seja por ela própria realizada sem a coordenação em conjunto com autoridades civis, afirmaram os procuradores no ofício.

Os procuradores querem também que as buscas só sejam realizadas após a abertura dos arquivos existentes sobre a Guerrilha do Araguaia em posse de militares e, preferencialmente, acompanhados de depoimentos de agentes que participaram das operações do Exército para reprimir os guerrilheiros.

Além disso, as investigações devem ter a participação de arqueólogos, legistas e odontólogos forenses, para que sejam reveladas, se encontradas as ossadas, as circunstâncias das mortes e dos sepultamentos.

O ofício é assinado pelos procuradores André Raupp, Tiago Rabelo, Felício Fontes Júnior, Ubiratan Cazetta, Eugênia Fávero e Marlon Weichert. O grupo de trabalho criado pelo Ministério da Defesa no mês passado para buscar os corpos é capitaneado pelo comandante do Exército, general Enzo Peri.


Desaparecidos da Guerrilha do Araguaia

Leia também:

Leia mais sobre Araguaia

    Leia tudo sobre: araguaiaguerrilhamortes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG