Quase 10 mil ações estão na mira do Tribunal de Contas da União

Pelo menos R$ 4 bilhões de indenizações a perseguidos políticos já pagas ou aprovadas pela Comissão da Anistia poderão ter os valores revistos pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Proposta em análise no tribunal prevê a possibilidade de reduzir os benefícios concedidos aos anistiados. "A revisão poderá gerar uma economia de milhões de reais aos cofres públicos", defendeu Marinus Marsico, procurador do Ministério Público junto ao TCU, autor da representação que está para ser votada. "Não contesto a condição de anistiado político, mas os valores das indenizações concedidas a título de reparação econômica", disse o procurador.

9.371 benefícios

São alvo da representação, por ora, 9.371 benefícios já concedidos com base em uma lei de 2002. Ela estabeleceu o pagamento de indenização do Estado a vítimas de perseguição política até 1988, ano em que a Constituição foi aprovada.

A reparação econômica é maior quando a perseguição tiver causado perda do emprego, prevê a lei. Nesse caso, além do pagamento de um valor mensal - cuja média atual é de aproximadamente R$ 3 mil -, o anistiado tem direito ainda ao pagamento de valores retroativos a 1988. A regra rendeu indenizações milionárias e pagamentos mensais próximos do teto salarial do funcionalismo público, atualmente em R$ 26,7 mil, o limite para o benefício.

Exceção

A proposta do TCU só deixa de lado as indenizações pagas em parcela única, de R$ 100 mil, no máximo. Elas representam menos de 5% do total de benefícios de prestação mensal já pagos e dos pagamentos retroativos já aprovados. As demais - pouco mais de 95% do valor total aprovado - deveriam ser tratadas como aposentadoria ou pensão e, como tal, ser submetidas à análise do tribunal, argumentou Marinus Marsico. Ele quer que a revisão comece pelos benefícios de valores mais altos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.