O procurador da República Patrick Salgado Martins, informou nesta sexta-feira, por meio da assessoria do Ministério Público Federal (MPF) em Belo Horizonte, que o ex-prefeito da capital mineira Fernando Pimentel (PT) não foi denunciado no processo que investiga os crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas por falta de provas. Martins disse que não poderia dar mais detalhes sobre a investigação, pois o processo corre sob sigilo na Justiça Federal em Belo Horizonte.

Em maio de 2008, a Justiça Federal acatou a acusação formal do MPF e instaurou ação penal contra o ex-vice-presidente administrativo financeiro da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de BH, Glauco Diniz Duarte, e o contador Alexandre Vianna de Aguilar.

Eles foram acusados de alimentar a conta off-shore Dusseldorf Company, pela qual o publicitário Duda Mendonça teria recebido remessas de recursos de dívidas de campanha com o PT.

Segundo a revista IstoÉ, Pimentel teria ligações com o empresário e o contador e teria superfaturado contratos da prefeitura para pagar gastos de campanha do PT.

Duarte a Aguilar não foram localizados para comentar as denúncias. A CDL informou que o ex-vice-presidente está afastado da entidade.

Na denúncia, o MPF afirma que "Glauco Diniz e Alexandre Vianna foram acionados para proceder à lavagem de quantias provenientes de crimes contra a administração pública e subsequentes crimes contra o sistema financeiro nacional", praticados pela "organização criminosa" do já mencionado "escândalo do mensalão".

Procurado, Walfrido dos Mares Guia não foi localizado. O advogado Arnaldo Malheiros Filho, que representa Walfrido, garantiu que seu cliente não confirmou a versão do ex-deputado Roberto Jefferson, de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria sido avisado do mensalão antes de o escândalo vir a público.

"O Walfrido dos Mares Guia jamais deu qualquer depoimento que incriminasse o presidente".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.