Procurador é suspeito de assassinar sobrinho em MS

O procurador de Justiça de Mato Grosso do Sul Carlos Alberto Zeolla é o principal suspeito pelo assassinato do próprio sobrinho, Cláudio Alexandre Joaquim Zeolla, segundo cinco delegados da Polícia Civil que investigam o caso. O crime aconteceu na manhã de ontem no bairro Jardim dos Estados, área nobre de Campo Grande, diante de várias testemunhas.

Agência Estado |

Quatorze pessoas que presenciaram o assassinato prestaram depoimento hoje no 1º Distrito Policial (DP) e confirmaram o procurador como o autor do crime.

Uma das testemunhas que depôs à polícia é um rapaz de 17 anos que trabalha para o servidor público e dirigia o automóvel utilizado para o assassinato. Segundo o delegado Fabiano Gastaldi, presidente do inquérito, o promotor vai responder também por entregar o carro à pessoa não habilitada. O menor mora há cinco meses na residência de Carlos Alberto, onde realiza vários serviços. Na casa também viviam mais dois rapazes, um deles a vítima, de 23 anos.

Na semana passada, Cláudio deixou a residência para morar com a namorada, Elisângela de Souza Almeida, de 25 anos. Ontem, o sobrinho saiu de bicicleta para ir à academia de ginástica quando foi abordado pelo tio. "O doutor desceu do carro com o revólver na mão e deu um tiro na nuca do Cláudio", disse o adolescente. "Enquanto eu dirigia o carro, ele jogou a arma fora."

O promotor, de 44 anos, está preso em cela especial da Diretoria Geral de Polícia Civil. Ele afirma ser inocente. Porém, a polícia apreendeu em sua residência uma camisa e um calção manchados de sangue. As peças estavam imersas em água sanitária e foram reconhecidas por seis pessoas como as mesmas que vestia o acusado no momento do homicídio.

O delegado contou que o motivo do crime apontado por familiares pode ser a agressão praticada por Cláudio contra o avô, pai do procurador, um dia antes. O rapaz teria empurrado Américo Zeolla, de 78 anos, que caiu e teve de ser internado. O hospital informou ter atendido o agredido, mas não revelou o estado de saúde nem o tipo de ferimento.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG