Prisões por delitos eleitorais chegam a 1.749, segundo TSE

BRASÍLIA - Subiu a 1.749 o número de prisões efetuadas em todo o país por propaganda de boca-de-urna e tentativa de aliciamento de eleitores.

Valor Online |

De acordo com o último boletim de ocorrências divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), entre as pessoas presas acusadas de crime eleitoral, 208 eram candidatos a prefeito ou vereador.

Os dados que chegaram ao TSE até as 18h00 apontavam que o total de ocorrências registradas por irregularidades cometidas durante o pleito chegava a 4.656. Entre as irregularidades são citadas propagandas de candidatos na rua - já no horário de votação - transporte ilegal de eleitores ou tentativa de compra de votos, por exemplo.

Minas Gerais teve o maior número de candidatos presos, com 33, seguido do Espírito Santo, onde 28 foram detidos, e por Mato Grosso do Sul, com 23.

Mas foi no Rio Grande do Sul onde a maior parte das ocorrências gerais foram registradas, somando 836, com 137 pessoas presas. Pernambuco veio a seguir, com 737 ocorrências, o Rio de Janeiro apareceu na terceira posição, com 618 irregularidades com registro policial.

Na última atualização, o TSE informou ainda que foram 12 as seções onde as urnas eletrônicas quebraram e a votação teve que ser realizada pelo antigo método manual. Foram efetivamente utilizadas 455,9 mil urnas, das quais 2.233 ou 0,49% precisaram de substituição por algum motivo.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG