Pressionados, deputados do DF evitam voltar à Câmara

Os deputados do Distrito Federal evitaram aparecer na Câmara Legislativa hoje, alegando falta de segurança. Nove dos 24 integrantes da Casa são suspeitos de envolvimento no mensalão, e o plenário está pressionado por manifestantes, que passaram a noite na Câmara.

Agência Estado |

A sessão para escolher um novo corregedor para dar seguimento ao processo de quebra de decoro desses nove parlamentares foi adiada para terça-feira por falta de quórum.

Cerca de 50 manifestantes passaram a noite na Câmara, mas assim que amanheceu, o número foi crescendo. No início da tarde, já havia cerca de 100 pessoas. Depois de uma reunião com a mesa diretora da Casa, o grupo deixou o plenário e se concentrou nas galerias e nos corredores, esperando a eleição do novo corregedor.

O atual corregedor, Júnior Brunelli (PSC), é um dos que aparecem recebendo dinheiro no mensalão do Distrito Federal. Ele até lidera a oração pelo bem-estar do ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa, que fazia o pagamento.

O presidente interino da Casa, Cabo Patrício (PT), chegou a abrir a sessão, para fechá-la em seguida por falta de quórum. "Aos manifestantes que estão na galeria queria avisar que os parlamentares anunciaram que não vêm à Casa por que não se sentem seguros", disse Patrício. Em seguida, o grupo voltou para o plenário. Dessa vez, de forma organizada e pacífica, chegaram a esperar pela autorização dos seguranças.

"Nós garantimos todas as condições para que eles trabalhassem. Só não garantimos impunidade para eles fazerem o que quiserem aqui escondidos. Se for para eles trabalharem, nós sairemos do plenário, mas não vão ficar aqui num castelo fechado", disse Paíque Duque Lima, um dos líderes do movimento.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG