Pressionado, Delúbio desiste de voltar ao PT

SÃO PAULO (Reuters) - O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, figura-chave do escândalo do mensalão, desistiu nesta sexta-feira da reintegração ao partido após pressões internas. Na abertura da reunião do Diretório Nacional do PT em Brasília, que tinha o tema em pauta, Delúbio leu um longo discurso em que retira seu pedido de voltar à legenda. Ele foi expulso como punição ao escândalo do mensalão, acusação de compra de apoio de aliados pelo PT que eclodiu em 2005.

Reuters |

"São 38 anos de luta, 30 no PT. Esse é o meu DNA", afirmou Delúbio na abertura do discurso, disponível no portal "Companheiro Delúbio", criado recentemente para apoiar o ex-tesoureiro.

No texto, ele admite que "afloraram argumentos contrários", ao seu retorno e que não aceita a recomendação de que voltasse apenas depois das eleições do ano que vem.

"Minha presença, esclareceram-me, antes de tal data poderia trazer inevitável desgaste eleitoral para o partido e seu projeto presidencial. Por quê 2011 se o Delúbio de hoje é o Delúbio de 1980 e será o Delúbio de amanhã? Esse argumento não aceito. Não é digno de minha consideração por não ser válido", afirmou.

Entretanto, afirma que não quer promover divisões na legenda.

"Não pretendo ser motivo de qualquer divisão interna, muito menos causar discórdia por conta de uma postulação política que muitos dizem ser pessoal, a de voltar ao PT. Nem devo causar tipo algum de embaraço aos companheiros que se colocaram, corajosa e generosamente, a meu lado no presente debate", diz.

"Se tanto lutei pelo PT, por qual obscuro motivo iria agora provocar qualquer divisão interna? Não devo, não posso, não quero", acrescentou, afirmando que recusa o papel de vítima.

Em sua defesa, Delúbio retorna a uma estratégia de generalizar entre os políticos práticas não permitidas por lei.

"Do que me acusam? Quantos são os políticos brasileiros que realizaram campanhas eleitorais sem que alguma soma, por menor que fosse, não tenha sido contabilizada?"

No discurso, cita apenas o ex-ministro e deputado cassado José Dirceu, entre os que estão pagando pelas irregularidades cometidas pelo partido.

Um total de 40 pessoas, entre elas Delúbio e Dirceu, estão sendo processadas pelo Supremo Tribunal Federal, que investiga o mensalão.

DILMA

Ainda nesta sexta-feira, o Diretório Nacional do PT deve divulgar uma nota de apoio à candidatura da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) à sucessão presidencial. Será uma espécie de manifesto do partido respondendo a especulações de um possível "plano B", que vieram à tona após o anúncio em abril de que Dilma faz tratamento contra um câncer.

(Reportagem de Carmen Munari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG