Presos três PMs acusados de torturar equipe de jornal no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO - Quatro pessoas, entre elas três policiais militares, foram presas nesta quinta-feira acusadas de capturar e torturar uma equipe do jornal O Dia, em maio deste ano. A operação da Draco (Delegacia de Repressão ao Crime Organizado) contou com 80 policiais para cumprir sete mandados de prisão e 29 de busca e apreensão. Com os presos a polícia encontrou um fuzil, quatro pistolas e munição.

Agência Estado |

O policial Fabio Gonçalves Soares, o Fabinho Catiri, foi preso em casa na Favela do Catiri, no Jardim Bangu, zona oeste. Com ele foram apreendidos um fuzil, um revólver 38, um colete à prova de bala, um binóculo de precisão e uma camisa do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais).

O PM Marcos Antônio Alves da Silva, o Marcos do Bope, também foi preso em casa no bairro de Realengo, também na zona oeste do Rio. Em seguida, a polícia prendeu o policial militar André Luiz de Mattos, o Cocada. O quarto preso foi identificado como Nilson Bueno, o Faustão.

Em maio deste ano, uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal "O Dia" passaram 14 dias infiltrados morando na favela do Batan, na zona oeste. Eles faziam uma reportagem especial sobre a atuação das milícias na favela.

A equipe foi descoberta, capturada e torturada durante toda uma madrugada e depois foi libertada na Avenida Brasil. Eles passam bem fisicamente, mas ficaram psicologicamente abalados e continuam afastados de suas atividades profissionais.

Leia mais sobre: violência no Rio - tortura

    Leia tudo sobre: torturaviolência no rio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG