Presos jovens da classe média acusados de furto no Rio

RIO DE JANEIRO - A polícia prendeu três jovens de classe média acusados de furtar um apartamento no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. Felipe Duarte Lopes de Melo Gama, de 20 anos, Luciano da Motta Branco e Érick Milton Cunha Ruiz, os dois de 24, moradores de Copacabana, foram denunciados por moradores de um apartamento vizinho.

Agência Estado |

A polícia perseguiu os jovens até São Conrado, na saída do Túnel Joá. Eles estavam com dois revólveres, mas não houve troca de tiros.

Gama, Branco e Ruiz teriam entrado no prédio da Avenida Lúcio Costa, depois que moradores saíram deixando a garagem aberta. Não havia porteiro no edifício. Os acusados apertaram o interfone da residência para se certificarem de que estava vazia. Entraram no edifício num Fiat Marea, de um deles, e arrombaram o apartamento. Segundo a polícia, eles levaram microcomputador portátil, bebidas, perfumes, jóias e roupas.

Denunciados por vizinhos, os rapazes foram perseguidos por policiais militares. O delegado Júlio Filho, titular da 16.ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca), disse que investigará se eles estão envolvidos com outros crimes na região. "Eles têm um certo poder aquisitivo. Não são desamparados. Já têm advogados para defendê-los", afirmou. "Eles estavam nas proximidades, viram a oportunidade e resolveram entrar."

Dos presos, dois tinham antecedentes criminais. Branco foi indiciado por roubo e Ruiz estava em liberdade condicional por roubo, tráfico e assalto à mão armada. Júlio Filho informou que os jovens serão indiciados por furto qualificado e porte ilegal de armas, crimes cujas penas podem chegar a 14 anos de prisão.

Leia mais sobre: Rio de Janeiro

    Leia tudo sobre: rio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG