Presos 3 médicos acusados de fraude no SUS em Minas

Três médicos cardiologistas do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais, foram presos na manhã de hoje durante a Operação Hipócrates da Polícia Federal (PF). Os médicos são acusados de benefício ilegal no fornecimento de materiais utilizados nas cirurgias cardiovasculares dos pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) dentro do HC.

Agência Estado |

A Administração Superior da UFU foi obrigada a suspender todos os procedimentos cirúrgicos do setor de cardiologia.

Segundo a PF, os médicos eram "sócios de fato de empresas fornecedoras de produtos utilizados na área hospitalar", como medicamentos e materiais cirúrgicos. Como eram também os requisitantes dos produtos que vendiam, "dominavam o mercado local em prejuízo da concorrência e do erário público". As empresas estariam em nome de funcionários.

Os nomes dos suspeitos presos temporariamente não foram divulgados. Eles ficaram cerca de sete horas na sede da PF em Uberlândia. Os médicos prestaram depoimento e foram liberados, beneficiados por habeas-corpus. Eles foram indiciados por crimes de formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção passiva e concussão.

A UFU informou, por meio de nota, que quatro pacientes que hoje aguardavam cirurgia cardíaca permaneciam internados, "devidamente assistidos". A direção do hospital iniciou procedimento para a transferência dos pacientes para Belo Horizonte. Os pacientes, conforme a UFU, fazem parte do sistema de Regulação Estadual de Urgência e Emergência (SUS Fácil). Pelo menos outros quatro pacientes graves permaneciam internados no HC à espera de cirurgia cardíaca.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG