Presos 11 militares no caso de jovens mortos no Rio

O Exército deteve 11 militares suspeitos de entregar três jovens presos por desacato no Morro da Providência, no sábado, para traficantes rivais do Morro da Mineira, no Rio. O grupo está em prisão administrativa no Comando Militar do Leste (CML).

Agência Estado |

A Polícia Civil deve pedir ainda a prisão temporária dos militares, que participam da ocupação da Providência, no centro do Rio. Os corpos dos jovens foram achados ontem no Aterro Sanitário de Gramacho, um lixão de Duque de Caxias (Baixada Fluminense).

Em depoimento ao titular da 4ª Delegacia de Polícia, delegado Ricardo Dominguez, alguns dos suspeitos teriam confessado o crime. De acordo com o delegado, no grupo há um oficial, três sargentos e sete soldados.

Segundo a polícia, os corpos de Wellington Gonzaga Costa, de 19 anos, Marcos Paulo da Silva Correia, de 17, e David Wilson Florêncio da Silva, de 24, foram achados mutilados e com marcas de tortura por catadores de lixo.

Este é o momento mais tenso desde que o Exército ocupou o Morro da Providência em dezembro de 2007 para a reforma das fachadas das casas, previstas no projeto Cimento Social. A obra com recursos do Ministério das Cidades saiu após emenda do Senador Marcello Crivella (PRB), candidato à Prefeitura do Rio.

O CML abriu Inquérito Policial Militar para apurar o caso. O Exército confirmou que os jovens foram abordados por uma patrulha do Grupamento de Unidades-Escolas da 9ª Brigada de Infantaria Motorizada, perto da Praça Américo Brum, no alto do morro, e detidos por desacato às 8 horas de sábado. Os três foram levados ao quartel do Exército em Santo Cristo, interrogados e liberados, pouco depois de meio-dia, segundo CML. Os nomes dos militares não foram revelados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: polícia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG