Preso policial do Deic que atropelou colega ao fugir

Foi preso na noite de ontem o investigador do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) que atropelou um colega para fugir da prisão em flagrante. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Sidney Martins foi detido por volta das 22h30 depois de ter sua prisão decretada pela Justiça de Guarulhos.

Agência Estado |

Ele está recolhido no presídio especial da Polícia Civil. O caso é fruto de uma operação da Corregedoria da Polícia Civil para colocar atrás das grades policiais do Deic acusados de corrupção.

O grupo tentava achacar R$ 17 mil de um comerciante. A ação dos supostos corruptos começou quando cinco homens que se identificaram como policiais foram até a casa do comerciante. Queriam R$ 50 mil para não prender o homem. Ameaçaram com armas em punho a mulher e a filha da vítima. O homem tentou negociar e obteve primeiro uma redução da propina para R$ 30 mil e, depois, para R$ 17 mil. Era manhã de terça-feira quando os policiais mandaram que o comerciante fosse buscar o dinheiro enquanto aguardavam ao lado da família da vítima.

Em vez de dinheiro, o comerciante foi atrás do Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), do Ministério Público Estadual. Os promotores se preparavam para o depoimento da vítima, quando os policiais telefonaram para o comerciante. Queriam saber a razão da demora. Os promotores levaram então o comerciante à Corregedoria.

Os corregedores aconselharam a vítima a dizer que ia entregar o dinheiro acompanhado de um advogado - na verdade, um policial da Corregedoria disfarçado. Outros dez corregedores acompanhariam à distância. O local do encontro foi marcado para um posto de gasolina na Rodovia Dutra, em Guarulhos.

Às 16h30, quando o comerciante entregou o dinheiro, os corregedores cercaram os três policiais do Deic. Os investigadores reagiram. Houve luta corporal e dois saíram correndo. Um deles, o investigador Sidnei, apanhou uma viatura do Deic sem identificação e arrancou. Atropelou o suposto comparsa - o investigador Moura - e fugiu com o dinheiro. Os corregedores atiraram nos pneus para tentar impedi-lo. Moura ficou ferido na perna e foi detido, assim como outro suspeito, identificado como Valdir. Eles negam as acusações.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG