O uruguaio Hector Alejandro Ramos Ramirez, de 26 anos, preso na quinta-feira da semana passada, era o líder da maior quadrilha de clonadores de cartão de bancos da América Latina. Segundo o delegado-titular da Delegacia de Repressão a Roubo a Bancos de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, o grupo, que roubava senhas de correntistas e “limpava” as contas bancárias, é responsável por furtos que atingem cifras “milionárias”.

“São os maiores clonadores de cartão da América Latina.”

A polícia ainda não contabilizou os valores, mas já sabe de pelo menos cinco imóveis de alto padrão comprados pelo uruguaio. Ramirez também possuía um Audi TT 2008, avaliado em R$ 230 mil. “O que ele comprou equivale a uma fortuna”, diz Fontes. Somente em um banco, a quadrilha teria feito pelo menos 50 saques. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.