Preso homem suspeito de traficar armas da Bolívia para facções criminosas do Rio

RIO DE JANEIRO - A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu nesta semana um homem suspeito de ser um dos maiores fornecedores de armas para facções criminosas nas favelas cariocas. Segundo a polícia, Antonio Jorge Gonçalves, conhecido como Tony, comprava armas na Bolívia e as trazia ao Rio de Janeiro, por meio da fronteira entre Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e a cidade boliviana de Puerto Suárez.

Agência Brasil |

O armamento era trazido por Minas Gerais e entrava no Rio de Janeiro pela rodovia BR-040 (Rio-Juiz de Fora). Caminhões, carregados com produtos variados, traziam fuzis, metralhadoras, granadas e pistolas do Exército boliviano, segundo a polícia do Rio.

Tony estava sendo investigado pela Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos fluminense há dois anos. A polícia acredita que ele tenha entregue, no último mês, 39 fuzis para criminosos do Rio de Janeiro. As pistolas eram negociadas entre US$ 600 e US$ 900 (entre R$ 1.200 e R$ 1.800) e as metralhadoras eram vendidas por R$ 30 mil. O fuzil AK-47 chegava a custar R$ 60 mil para os criminosos.

O suspeito morava em Caldas Novas (GO), cidade localizada na rota do tráfico de armas, mas foi preso dentro de um shopping em Campo Grande (MS), no último domingo. Na segunda-feira, a polícia prendeu duas pessoas na Favela do Beltrão, em Niterói, apontadas como sendo as responsáveis pelas finanças de Tony.

Leia mais sobre: tráfico de armas

    Leia tudo sobre: armaarmastráfico de armas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG