Preso fiscal suspeito na fraude de importações do ES

A Polícia Federal (PF) do Espírito Santo prendeu hoje mais um envolvido no esquema de importações subfaturadas promovidos pela Tag Exportação e Importação de Veículos, empresa de propriedade de Pedro e Adriano Scopel, pai e filho, respectivamente. O 24º mandado de prisão da Operação Titanic foi contra o fiscal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Charles Henrique Porto Santos, que, segundo as investigações policiais, receberia propinas entre R$ 3 mil e R$ 15 mil para legalizar a importação de anabolizantes feita ilegalmente pelos Scopel.

Agência Estado |

Nas buscas e apreensões realizadas na segunda-feira junto com as outras 21 prisões efetuadas, os agentes federais de Vitória encontraram no apartamento de Pedro uma caixa com ampolas da droga, provavelmente importadas sem a devida autorização. A prisão de Charles já tinha sido pedida anteriormente pela PF e pelo Ministério Público (MP), mas havia sido negada pelo juiz-substituto da 1ª Vara Federal Criminal de Vitória, Pablo Coelho Charles Gomes. Ele entendeu que eram fracos os indícios contra o fiscal da Anvisa.

A partir dos interrogatórios feitos na segunda-feira, quando empregados da Tag admitiram as propinas pagas ao fiscal Charles, o MP insistiu no pedido de prisão e o juiz reviu sua posição inicial. Na Operação Titanic foram expedidos 23 mandados de prisão, dos quais apenas um - contra o empresário Antonio Claudio Diniz de Oliveira Santos, mais conhecido como Baducho -, não foi cumprido até o momento, por ele estar em viagem para os Estados Unidos. Hoje, o juiz Gomes revogou a prisão da contadora Aldeni Avelar Portela Silva, por ela se encontrar no oitavo mês de gravidez.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG