Preso, Álvaro Lins é afastado da Polícia Civil do Rio

Álvaro Lins, ex-chefe da Polícia Civil fluminense, foi afastado hoje da corporação, depois de ser investigado por quase dois anos pela Corregedoria Geral Unificada. Ele está preso desde maio passado, quando a Polícia Federal desencadeou a operação Segurança Pública S/A.

Agência Estado |

O então deputado estadual (cassado, logo depois) foi acusado de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, corrupção passiva e facilitação ao contrabando.

O Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar crimes cometidos por Lins foi instaurado pela CGU em 14 de maio de 2007 - ele foi chefe de Polícia entre novembro de 2000 e março de 2006. Foram necessários 667 dias e um processo de 3.649 páginas, divididas em dez volumes, para que a CGU recomendasse a exoneração de Lins, que será publicada hoje no Diário Oficial do Estado do Rio.

A corregedoria concluiu que o ex-policial loteou delegacias, acobertou e protegeu interesses de "determinado contraventor penal" (o bicheiro Rogério Andrade, segundo o inquérito da PF), associou-se a policiais e comandou esses policiais com "fins ilícitos", teve aumento patrimonial incompatível com a função, promoveu "inversão hierárquica" para ter maior controle sobre determinadas delegacias e "consequente recebimento de propinas", entre outros crimes. O advogado de Lins, Ubiratan Guedes, não foi localizado para comentar a decisão da CGU.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG