Presidente uruguaio defende mulher na sucessão de Lula

O novo presidente do Uruguai, o ex-guerrilheiro José Pepe Mujica, afirmou que seu coraçãozinho pende para a eleição da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), na disputa presidencial brasileira, em outubro deste ano. Embora não tenha citado nominalmente a petista, o uruguaio afirmou que gosta de mulheres no poder.

Agência Estado |

"A decisão é do povo brasileiro, o que não quer dizer que eu não tenha meu coraçãozinho. Ultimamente, eu tenho gostado das mulheres no poder", disse Mujica no domingo, ao ser questionado pela imprensa acerca de sua opinião sobre a petista.

O novo presidente do Uruguai atuou em organizações de esquerda contra a ditadura militar de seu país, que durou de 1973 a 1985. Chegou a ficar preso por 14 anos. Durante o período de combate, Dilma esteve no Uruguai para fazer treinamento militar, conforme entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada em fevereiro. Ex-guerrilheira como Mujica, Dilma também fez oposição ao regime militar brasileiro (1964-1985) e atuou em movimentos de esquerda.

Presente à posse de Mujica, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que Dilma vai fazer um governo com o "estilo" dela. Indagado se gostaria da continuidade de sua gestão, assim como Mujica sustenta que será a continuidade da de Tabaré Vázquez, Lula declarou: "Quando a Dilma ganhar as eleições, a Dilma vai fazer do governo o estilo dela, a cara dela. Ela participa do governo, ela tenta fazer mais e melhor."

Lula disse não ter visto pesquisas de intenção de voto no fim de semana que mostram o crescimento de Dilma. "Eu estava preocupado com o jogo do Santos e do Corinthians, e o Corinthians levou um passeio, então...", afirmou o presidente, em referência ao jogo de futebol do domingo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG