BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, defendeu nesta terça-feira a lei que proíbe qualquer nível de álcool no sangue dos motoristas e taxa como crime doloso qualquer acidente em que o condutor do veículo esteja embriagado.

De acordo com Mendes, mesmo sem ter se aprofundado na nova Lei, ela vai de encontro com os anseios de uma sociedade moderna e impede de forma decisiva que condutores embriagados dirijam. 

"Não consegui ler o texto na versão que foi aprovada pelo Congresso Nacional, mas tenho a impressão que a medida caminha no sentido correto. É preciso por cobro (cobrir) este dado que fala mal do nosso processo civilizatório. Quem bebe não deve dirigir e preciso por cobro a esses abusos", ponderou.

Leia mais sobre: Lei Seca

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.