BRASÍLIA - O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), determinou na tarde desta terça-feira, dia 8, que o senador Efraim de Moraes (DEM-PB) lesse o requerimento que cria a CPI dos Cartões no Senado. Com a leitura, líderes do governo e oposição podem indicar os 11 membros que vão compor a comissão. A expectativa é que os nomes sejam indicados nesta semana, permitindo que os trabalhos se iniciem já na semana que vem. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/08/na_cpi_felix_diz_que_lei_preve_gasto_sigiloso_com_cartao_1263205.htmlNa CPI, Félix diz que lei prevê gasto sigiloso com cartão

Agência Estado
ASASASASAS
Após CPI, senador recebeu misses no gabinete
Tal como na CPI mista que trata do mesmo assunto (cartões corporativos), o governo terá ampla maioria na nova comissão. Dos 11 membros, oito serão indicados pelo governo e três pela oposição. Desta vez, a base governista adiantou que não vai abrir mão dos cargos de presidente e de relator, como fez na CPMI, em que cedeu a presidência para o PSDB.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que cabe ao PMDB, por ser o maior partido, indicar o presidente. Se a proporcionalidade partidária fosse levada a cabo, o DEM, segundo maior partido na Casa, deveria ficar com a relatoria.

"Eu fiz questão de destacar que, encerrado o entendimento, a base não tem nenhum compromisso. A base vai indicar o presidente e o relator", disse Jucá, referindo-se ao acordo feito para a CPI mista em março passado.

À época, o governo abriu mão da presidência. Em troca, a oposição se comprometeu a não criar uma CPI só no Senado. Quebrado o acordo, a base aliada indicará o presidente e caberá a ele indicar o relator.

Antes mesmo do fato consumado, a oposição criticou duramente a manobra governista. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse que o governo não está usando argumentos para obter as vagas, mas sim a "violência".

O líder do DEM, José Agripino (RN), taxou como "truculência" a tentativa da base de tomar os dois cargos de direção da CPI.

Apesar das críticas, Jucá garantiu que não abrirá mão das duas vagas, e comentou que o expediente usado na CPI mista, que vem rejeitando sistematicamente todos os requerimentos que pedem a quebra de sigiloso dos gastos presidenciais, será continuado na nova comissão.

"Não vamos deixar a oposição fazer festa política e nem desgastar a [ministra] Dilma [Rousseff]", destacou. "A oposição não vai transformar a CPI em palanque político", completou.

CPI sem êxito

Antes da leitura do requerimento, o presidente Garibaldi afirmou que a CPI dos cartões só do Senado não terá êxito . Ele lembrou que a maioria governista, tal como na CPI mista, também se fará presente na nova comissão.

"As duas [CPI's] são irmãs gêmeas. Se uma padeceu de um mal, porque a outra não vai padecer?", refletiu.

A oposição insistiu na criação de uma CPI só do Senado sob a alegação de que, com diversos requerimentos derrubados pela base do governo, a CPI mista não pode apurar as irregularidades. Eles acreditam que, no Senado, o nível das discussões será elevado, facilitando que parlamentares governistas sejam convencidos da necessidade de investigação.

Tática

De acordo com o líder do PSDB, Arthur Virgílio, após a derrota de uma série de requerimentos na CPI mista (senadores e deputados) dos cartões, a oposição não viu outra saída se não criar uma CPI paralela, somente com senadores.

Virgílio destacou que a correlação de forças na nova CPI será mais equilibrada e avaliou que ficará mais fácil recorrer contra as recusas de convocações de autoridades e de pedidos de informações sigilosas.

Questionado se não seria estranho para a opinião pública a existência de duas CPI's sobre o mesmo tema, Virgílio respondeu que não. "Estranha é essa CPMI (mista), que não aprova nada e, de repente, a crise se resolveria colocando o senador Álvaro Dias no pelourinho".

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), reforçou os argumentos de Virgílio, alegando que o governo deu uma "prova cabal" que não quer investigação devido à rejeição dos requerimentos pela CPMI.

Leia também:

Leia mais sobre: CPI dos Cartões

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.