SÃO PAULO - As presas da Cadeia Pública de Itupeva, a 73 km de São Paulo, queimaram hoje colchões e objetos para protestar contra a chegada à penitenciária de Valdecina Alves de Almeida, suspeita de agredir um bebê de 1 ano e 2 meses e a mãe dele em Jundiaí.

A manifestação foi controlada pela polícia e Valdecina permanecerá em uma cela separada na cadeia do município, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

O bebê agredido está internado no Hospital Universitário de Jundiaí, de acordo com informações da assessoria do hospital.

Segundo a polícia, o bebê vinha sendo espancado havia vários dias. Ele deu entrada no hospital com traumatismo craniano, escoriações, queimaduras e hematomas por todo o corpo, principalmente nas costas, cabeça e rosto.

AE

AE

Imagens do bebê após dias de tortura

A criança, que chegou ao hospital com os cabelos raspados, passará por uma nova avaliação, ainda nesta quinta-feira, por vários médicos, entre eles pediatra, oftalmologista e cirurgião.

De acordo com a assessoria, a mãe da criança também apresentava hematomas, principalmente no olho. Ela passou por avaliação médica e foi liberada. A mãe está na casa de uma vizinha e deve voltar ao hospital para uma nova avaliação e visitar o filho.

Leia mais sobre: agressão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.