Prefeitura do Rio vai bloquear R$ 1,3 bilhão para evitar efeitos da crise

RIO DE JANEIRO ¿ O novo secretário municipal da Casa Civil do Rio, Pedro Paulo (PSDB), disse nesta quinta-feira, momentos antes da cerimônia na qual foi empossado, que a Prefeitura do Rio vai bloquear parte do orçamento, cerca R$ 1,3 bilhão, para minimizar eventuais danos causados pela crise financeira mundial nas finanças do município. De acordo com Pedro Paulo, o montante representa 10% do orçamento anual da Prefeitura do Rio.

Anderson Dezan, repórter do Último Segundo no Rio |

Acordo Ortográfico

Não queremos sofrer nenhum baque com a crise, declarou o secretário. Ainda vamos começar a entender a situação financeira da prefeitura. Ter noção do orçamento e das despesas existentes, completou.

Pedro Paulo disse ainda que a equipe de Eduardo Paes (PMDB) solicitou inúmeras vezes à gestão municipal anterior, de César Maia (DEM), dados da situação financeira da prefeitura. No entanto, segundo o novo secretário municipal, as informações nunca foram completamente repassadas.

Também foram anunciadas nesta quinta-feira por Pedro Paulo outras medidas que serão tomadas com o intuito de conter despesas e aumentar a receita para o ano que vem. Entre as ações estão a implantação da nota fiscal eletrônica, a exemplo da cidade de São Paulo, e a reavaliação de contratos já existentes.

De acordo com o secretário municipal, todos os secretários de Paes terão um prazo entre 30 e 60 dias para reavaliar os acordos jurídicos firmados com a missão de cortar, no mínimo, 20% dos contratos. A medida, segundo ele, busca uma melhor eficiência dos acordos. Todos os secretários devem estar atentos ao cenário que irão encontrar, disse.

Para o prefeito do Rio, Eduardo Paes, as ações da secretaria municipal da Casa Civil são extremamente importantes, visto que a nova gestão não tem a real noção da situação deixada pelo governo anterior. Temos um orçamento que, provavelmente, está com as receitas super estimadas e com as despesas subestimadas. Vivemos uma situação complexa de crise, portanto, estamos tomando precauções necessárias para que a cidade amanhã não venha sofrer mais do que já sofreu, finalizou.

Posse do secretariado

A cerimônia de posse dos 21 novos secretários municipais do Rio aconteceu na tarde desta quinta-feira, no Palácio da Cidade, em Botafogo, zona sul da capital fluminense. A solenidade, que contou com a presença dos ministros José Gomes Temporão (Saúde), Carlos Minc (Meio Ambiente) e Orlando Silva (Esportes) foi iniciada com um ato ecumênico coordenado pelo cardeal arcebispo do Rio, Dom Eusébio Oscar Scheidt.

Em seu discurso, que durou cerca de dez minutos, Eduardo Paes agradeceu a confiança dos eleitores que votaram nele, do governador Sérgio Cabral e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O novo prefeito fez elogios à cidade que irá governar, mas reconheceu os desafios que encontrará pela frente.

"O Rio é o palco do samba, da bossa-nova e dos movimentos políticos que ajudaram a construir essa nação democrática. Passo a cuidar de uma das cidades mais importantes do mundo. Faço parte de uma geração que não conheceu a Cidade Maravilhosa, mas que sempre acreditou na capacidade de reação. Sempre fomos desafiadores e queremos ajudar a fazer o futuro", declarou.

Paes fez agradecimentos ainda à família, em especial à esposa e os dois filhos. Durante o discurso, o novo prefeito ressaltou que pretende destinar esforços para as causas sociais. "Quando vejo meus filhos, penso nas crianças mais pobres que não têm oportunidades. É para elas que eu quero trabalhar", disse.

Pela manhã, Eduardo Paes e os 51 vereadores eleitos tomaram posse na Câmara Municipal do Rio. Em seu discurso de posse, o novo prefeito da capital fluminense anunciou diversas medidas publicadas no Diário Oficial desta quinta-feira . Entre as ações estão o fim da aprovação automática nas escolas municipais, a criação de um gabinete de combate à dengue e a suspensão das obras na Cidade da Música para a realização de uma auditoria.

Ainda pela manhã,  os vereadores elegeram a nova composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal . O presidente da Câmara é Jorge Felippe (PMDB), o 1º vice-presidente é Stepan Nercessian (PPS) e o 2º vice-presidente é o Carlo Caiado (DEM). O 1º secretário é o doutor Jairinho (PSC) e a 2ª secretária é Patrícia Amorim (PSDB). Os suplentes são, pela ordem, Nereide Pedregal (PDT) e doutor Carlos Eduardo (PSB).

Veja também:

Leia mais sobre: Prefeitura do Rio

    Leia tudo sobre: eduardo paesposseprefeiturariorio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG