Prefeito sugere nomeação para Yeda, revela grampo

Uma escuta feita pela Polícia Federal durante a Operação Solidária captou a governadora Yeda Crusius (PSDB) recebendo do ex-prefeito de Canoas, Marcos Ronchetti (PSDB), recomendações para nomear o advogado Gelson Stocker para uma vaga de desembargador no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. A gravação, de dezembro de 2007, só foi feita porque Ronchetti usou o telefone de seu secretário de governo, Francisco Fraga, que era monitorado por suposta participação em irregularidades nos contratos de merenda escolar do município, para falar com Yeda.

Agência Estado |

O diálogo foi divulgado hoje pela "Rádio Gaúcha".

Na conversa, Ronchetti destaca que Stocker foi fundador do PSDB, é "aprovadíssimo" no meio dele e pessoa de altíssima competência. "Se a senhora puder ajudar, eu estou lhe dando as recomendações", sugere o então prefeito. "Eu aprendi durante este ano, viu Ronchetti, eu vou usar a caneta para nomear quem tenha compromisso com o governo", afirma a governadora num trecho do diálogo para, na sequência, agradecer pela indicação.

O nome de Stocker estava numa lista tríplice elaborada pela Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil para o preenchimento de uma das vagas do chamado quinto constitucional, que garante 20% das 140 cadeiras da corte a advogados e promotores de Justiça. Ele foi escolhido por Yeda e, após ser nomeado no dia 17 de janeiro, assumiu o cargo de desembargador em 11 de fevereiro do ano passado.

O advogado de Yeda, Fábio Medina Osório, manifestou-se perplexo com a divulgação, pela emissora, de uma conversa que, segundo seu entendimento, não tem qualquer conteúdo ilícito, foi retirada de uma operação que investigava outras coisas e que permanece sob segredo de Justiça.

Ele destaca que a própria Polícia Federal considerou que a governadora teve postura "sóbria e correta" ao receber o pedido. E lembra ainda que o sistema de escolha é constitucional e idêntico ao usado nos tribunais superiores em Brasília.

Em entrevista à "Rádio Gaúcha", Stocker também afirmou que a transmissão de informações sobre os candidatos e suas qualificações ao governador é normal nos processos de seleção como o que o levou ao Tribunal de Justiça.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG