Prefeito de Taubaté é assaltado e torturado em sítio

Roberto Peixoto e a mulher foram vítimas de socos, pontapés e choques elétricos

AE |

selo

O prefeito de Taubaté, Roberto Peixoto, e a primeira-dama, Luciana Peixoto, foram vítimas de assalto na noite de quarta-feira, dia 22, ocorrido no sítio Rosa Mística, de propriedade da família, na zona rural de São Bento do Sapucaí, a 169 km da capital paulista.

Por volta das 21h30, a residência foi invadida por cinco homens encapuzados, que pularam o muro e mantiveram o casal amarrado e sob a mira de armas de fogo por mais de duas horas. Um deles, segundo o prefeito, estaria usando um colete da Polícia Federal e era o mais violento.

Além de levar joias da primeira-dama - um par de brincos e uma gargantilha de ouro - mais as alianças do casal, um notebook e R$ 1,7 mil em dinheiro, os ladrões também os torturaram, aplicando-lhes socos, pontapés e choques elétricos.

Peixoto foi o primeiro a ser dominado pelos ladrões. Ele a mulher foram amarrados de costas um para o outro e amordaçados. Eles conseguiram escapar depois de se arrastar até a cozinha e usar uma faca para cortar as presilhas que os prendiam.

"Eles deram choque no meu pescoço por várias vezes. Dói muito", disse Roberto Peixoto, em entrevista à imprensa. Enquanto estavam amarrados eles teriam sofrido agressões no rosto e tapas no ouvido.

"Bateram muito mesmo", disse o prefeito. Também foram ameaçados de morte, sob pressão dos ladrões, que queriam o dinheiro de um suposto cofre existente no local. Eles dispararam a arma por três vezes e ameaçavam fazer "roleta russa".

A primeira dama - que teve a cabeça batida na parede e levou uma martelada na mão, aplicada pelo ladrão que usava colete da PF- estava em choque e nada comentou sobre os fatos. Segundo o prefeito "ela ficou apavorada". O casal foi medicado na Santa Casa de São Bento do Sapucaí e liberado.

Segundo o delegado Seccional de Taubaté, Ivahir Freitas Garcia, o sítio já passou pela perícia técnica e as investigações já estão em curso. "Estamos trabalhando, mas ainda não temos indícios dos possíveis culpados", disse.

Polêmica

Roberto Peixoto e Luciana Peixoto chegaram a ser presos pela Polícia Federal em novembro do ano passado, tendo como motivação uma série de acusações de desvio de dinheiro público e formação de quadrilha.

O sítio Rosa Mística, onde ocorreu o assalto, foi alvo de polêmica nas eleições de 2008, quando Peixoto era candidato à reeleição e foi acusado de enriquecimento ilícito, por não ter declarado a compra do sítio à Receita Federal.

    Leia tudo sobre: prefeitotaubatéassalto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG