Prefeito de município do Rio pede apoio de cidades vizinhas para reparar estragos

RIO DE JANEIRO - Os moradores de Porciúncula, município fluminense que faz divisa com Minas Gerais e que nesta quarta-feira chegou a ter 80% de sua área inundada, ainda sofrem com a interrupção do abastecimento de água tratada. Os serviços da prefeitura precisaram ser transferidos temporariamente para o Centro Cultural do município, pois o prédio onde funcionava a sede também ficou alagado.

Agência Brasil |

Além disso, a cidade ficou praticamente ilhada . As três vias de acesso ao município ficaram submersas. Há pelo menos 300 desabrigados e três mil desalojados na cidade. Apesar de não chover desde ontem, o rio Carangola, que corta o município, está 1,80 metros acima do nível normal. De acordo com o prefeito, Antônio Jogaib, a união de esforços entre os municípios vizinhos é fundamental nessa fase de recuperação que levará pelo menos dez dias.

Esperamos que agora a situação comece a melhorar. Tivemos uma fase bem difícil, a cidade foi muito atingida, ma a água começou a baixar. É preciso união, porque um município depende do outro. O rio que passa aqui segue para a cidade vizinha e por aí vai, afirmou Jogaib.

No município de Itaperuna, as sucessivas enchentes provocaram uma epidemia de leptospirose. A doença, transmitida com a disseminação da urina dos ratos nas águas, provocou a morte de três pessoas na cidade. Segundo o secretário de Saúde do município, Carlos Alberto Carpi, outros três casos estão em tratamento.

Os prefeitos e secretários de Saúde dos municípios do norte e noroeste do Rio de Janeiro estão reunidos neste momento em Itaperuna com equipes das secretarias estaduais de Saúde e Defesa Civil (Sedesc) e de governo para identificar as necessidades mais urgentes de cada município.

Veja também:

Leia mais sobre: chuvas

    Leia tudo sobre: chuvachuvasdesabrigadosdesalojadosenchenteriorio de janeirotemporais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG