Suspeito de matar estudante no Paraná se entrega à polícia

Outras duas pessoas estão presas sob suspeita de envolvimento no assassinato de Louise Sayuri Maeda

AE |

selo

O terceiro suspeito de ter matado a universitária Louise Sayuri Maeda, de 22 anos, que trabalhava em uma iogurteria em um shopping em Curitiba, Élvis de Souza, de 20 anos, apresentou-se por volta do meio-dia na Delegacia de Vigilâncias e Capturas, no centro da capital paranaense. Ele estava com a prisão decretada desde o último fim de semana. Além dele, estão presas Márcia do Nascimento, de 21 anos, e Fabiana Perpétua de Oliveira, de 20 anos, que trabalhavam com Louise e também teriam envolvimento no crime.

A polícia ouviu Souza por cerca de três horas nesta tarde, mas o delegado Marcelo Lemos de Oliveira, responsável pela investigação, preferiu não divulgar detalhes. Ele apenas confirmou que não tem dúvidas da participação dos três presos. O advogado de Souza, Marcos Antonio Germano, também não divulgou o conteúdo do depoimento, mas deu a entender que vai fortalecer a tese de inocência. "A gente sempre quer chegar na verdade real dos fatos e a gente trabalha com provas", disse. "Ele não nega (que conhecia as meninas), mas a princípio ele é inocente."

A primeira hipótese levantada pela polícia para a morte de Louise é que ela teria descoberto possível desfalque no caixa da empresa que supervisionava. No entanto, esse rumo de investigação foi descartado em razão de o proprietário não ter observado qualquer problema no caixa. Por ter um relacionamento com Márcia e uma bolsa de Louise ter sido encontrada com ele, Souza foi incluído entre os suspeitos. Seu carro também está passando por perícia.

O corpo de Louise foi cremado na manhã de ontem em uma cerimônia restrita aos familiares e amigos. Ela tinha desaparecido no dia 31 de maio, assim que saiu do trabalho. O corpo somente foi encontrado no dia 17 em uma cava do Rio Iguaçu, em Curitiba. Ela foi morta com disparos no crânio. Como estava em estado de decomposição, o reconhecimento foi feito em exames no Instituto Médico Legal (IML).

    Leia tudo sobre: crimeparanáassassinatolouise maeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG