Polícia prende suspeito de rapto de crianças no Paraná

Segundo a polícia, homem disse sentir desejo sexual por crianças, mas que não consumou relação sexual com nenhuma delas

AE |

selo

Policiais do Serviço de Investigações de Crianças Desaparecidas (Sicride) prenderam nesta terça-feira Uziel do Nascimento, de 45 anos, acusado de ter raptado pelo menos três crianças em Curitiba, todas do sexo feminino. Os três casos foram investigados pela polícia, mas ele teria dito que por suas mãos teriam passado "várias" meninas. Até agora, não há comprovação de que ele tenha praticado ato sexual, mas responderá por ato libidinoso contra incapaz, além de rapto. 

Leia mais notícias do Paraná

Nascimento não negou os raptos, dizendo que "o que eles (polícia) falarem é a verdade porque o que eu falei, eu falei a eles". Um primeiro caso investigado aconteceu há um ano. Depois houve o rapto de uma menina de quatro anos e, no dia 23 do mês passado, outra de seis anos. De acordo com a polícia, ele conseguia convencer as crianças que estariam momentaneamente sem um adulto por perto oferecendo dinheiro ou dizendo que as levaria para conhecer a apresentadora Xuxa. "A criança é fácil de levar na conversa", alertou a delegada do Sicride, Ana Cláudia Machado. Aquelas que apresentavam alguma resistência eram imediatamente abandonadas. 

"Ele disse que quando via as meninas sentia um estalo, um desejo sexual, por isso se aproximava, mas depois não tinha coragem", afirmou a delegada. No caso da última criança, ele disse que tinha preparado um local em um matagal às margens da BR-277, entre Curitiba e Campo Magro. Em vistoria, a polícia encontrou uma garrafa de pinga. Segundo Nascimento, era "para tomar coragem". A calcinha da menina também foi encontrada. O acusado disse que não abusou dela, mas deixou a roupa porque ela teria defecado. 

Na casa em que Nascimento morava sozinho, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, foi encontrado um colete da menina sujo de sêmen humano, que o suspeito afirmou ser dele. Exames na criança não revelaram conjunção carnal. A criança está em tratamento psicológico, por isso ainda não deu detalhes dos momentos em que passou com o acusado. A polícia chegou até ele depois de ter divulgado um retrato falado. Populares viram o acusado mexendo em uma lata de lixo e avisaram a Guarda Municipal de Pinhais, que comunicou o Sicride. 

A princípio, ele teria tentado negar, mas depois acabou reconhecendo que era ele em imagens feitas por câmeras de supermercado e de rua. Ele tem passagem pelas polícias de São José do Rio Preto e Bauru por falsidade ideológica, roubo, furtos e estelionato. "Não consta por esse artigo (rapto)", defendeu-se Nascimento nas poucas declarações que fez. Ele trabalha em um ferro velho e tem um filho de cinco anos, que está internado em abrigo público.

    Leia tudo sobre: raptocuritibaabuso sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG