Polícia prende suspeitas de matar estudante no Paraná

Corpo de Louise Sayuri Maeda, 22 anos, foi encontrado na última sexta-feira. Ela estava desaparecida desde o dia 31 de maio

AE |

A investigação sobre a morte da estudante Louise Sayuri Maeda, 22 anos, está próxima de uma solução. A polícia prendeu nesta segunda-feira duas colegas de trabalho que atuavam com Louise em uma iogurteria localizada no Shopping Mueller, no centro de Curitiba. O corpo dela foi encontrado na última sexta-feira. Ela estava desaparecida desde o dia 31 de maio. 

Divulgação
Fabiana Perpétua de Oliveira, suspeita de participar do assassinato da estudante Louise Sayuri Maeda
Além de Fabiana Perpétua de Oliveira, 20, e Márcia do Nascimento, 21, que estão detidas, a polícia continua atrás de Elvis de Souza, 20, que teria participado da ação. Segundo a polícia, a garota morta - que era supervisora da loja - havia descoberto alguns problemas no caixa e por conta disso suas colegas teriam feito uma armadilha para ela. No momento da prisão, Marcia estava com R$ 2,2 mil, valor considerado alto para seus rendimentos e que a garota não soube explicar a origem.

O caso

Louise sumiu após deixar o shopping. A primeira hipótese foi que a estudante havia sido sequestrada, o que levou o Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) a iniciar as investigações. Contudo, essa hipótese foi logo descartada e a DVC, especialista em desaparecimentos, assumiu o caso.

O delegado Marcelo Lemos de Oliveira e sua equipe analisaram imagens do sistema de segurança do shopping e outros indícios que levaram à prisão das suspeitas. Nos depoimentos, as duas, colegas de trabalho da vítima, entraram em contradição quanto ao itinerário depois de saírem do shopping.

Na casa de Élvis, no Tatuquara, policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) encontraram num buraco sob o assoalho a bolsa da vítima, com todos os seus pertences. O delegado disse que ainda não está clara a motivação para o crime, mas há suspeitas de que esteja relacionado com desvio de dinheiro. “No armário de Márcia, encontramos R$ 2.240,00. Mas ela não soube explicar a procedência da quantia”, informou o delegado da DVC.

Divulgação
Márcia do Nascimento, 21 anos, também está presa Centro de Triagem 1
Conforme a versão apurada até agora pela polícia, Louise pegou carona com o trio, em um carro prata, duas portas, com Élvis ao volante. O grupo deixaria Fabiana em casa primeiro, mas no meio do caminho Márcia simulou passar mal e Élvis parou o veículo em um local cercado de mato. O casal foi com Louise para o meio das árvores, enquanto Fabiana aguardou no automóvel. “Márcia disse para a amiga tampar os ouvidos e ligar o rádio em volume alto”, detalhou o delegado Marcelo.

A polícia ainda não sabe onde ocorreu o crime. O corpo foi arrastado pela correnteza do Rio Iguaçu até a área de cavas em que foi achado, na sexta-feira. As detidas estão recolhidas no Centro de Triagem 1, onde ficarão por pelo menos 30 dias, até que as investigações sejam encerradas.

O corpo será liberado para sepultamento nesta terça-feira (21), mas dependerá da família da vítima definir a data da retirada do cadáver. Até lá, outros exames são feitos para embasar o inquérito policial, como o de violência sexual, laboratoriais, odontologia forense, radiológicos e as necropsias.

    Leia tudo sobre: paranácrime

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG