No Twitter, Requião se lança à Prefeitura de Curitiba

Ex-governador e atual senador pelo Paraná se coloca na disputa pela capital do Estado e embaralha cenários da sucessão municipal

Luciana Cristo, iG Paraná |

O senador e ex-governador do Paraná Roberto Requião (PMDB) disse nesta quinta-feira (3) que está disposto a ser candidato a prefeito de Curitiba em 2012.

AE
Roberto Requião, no centro, acompanhado do senador Pedro Simon
Um movimento em torno do nome de Requião para as eleições municipais já estava sendo articulado pelo seu braço direito e presidente do diretório do PMDB em Curitiba, Doático Santos, desde janeiro, mas o senador tinha se mantido em silêncio até agora. “O Senado me empolga, mas se for pela minha Curitiba e para resgatar o nosso PMDB, convocado, disputo a prefeitura”, disse Requião em sua página no Twitter.

Nas primeiras semanas do ano, Doático afirmou que o PMDB tem a fórmula para ganhar a eleição, tendo Requião como candidato a prefeito e o deputado federal Ângelo Vanhoni (PT) como vice. Segundo Doático, cabe à “base popular” convencer Requião e Vanhoni a disputar as eleições do ano que vem.

Outros peemedebistas do Paraná não levam a sério a twittada de Requião. “Isso não passa de um balão de ensaio. Outras pessoas querem realmente disputar a eleição pelo PMDB, como o (ex-prefeito da capital paranaense e ex-deputado estadual) Rafael Greca ou eu mesmo”, diz o deputado estadual pelo Paraná Stephanes Júnior, que tenta a dissolução do diretório do PMDB em Curitiba – cuja decisão deve sair no fim do mês - justamente para tirar do comando o grupo ligado a Requião.

Stephanes Junior é da turma peemedebista que também pensa em atrair o ex-deputado federal tucano Gustavo Fruet para o PMDB, mesmo se a decisão não agradar Requião. “Fruet não precisa do apoio de ninguém, tem voo próprio”, afirma Stephanes Junior. Mesmo saindo derrotado de uma disputa pelo Senado em 2010 – a perda da vaga foi justamente para Requião –, Fruet é um dos principais nomes para disputar a prefeitura de Curitiba em 2012.

Enquanto Fruet trabalha por seu projeto, o PSDB segue indefinido, sem saber se aposta em uma candidatura própria ou se vai preferir devolver o apoio ao atual prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), duas vezes vice-prefeito do agora governador Beto Richa e amigo de longa data do governador, mas com perspectiva de menor atração de votos do que Fruet.

Até agora, Beto Richa não assume uma preferência e declara apenas que prefere o “consenso” e o “entendimento” entre seus aliados. “Mas, se houver divergências, isso também faz parte da democracia”, diz o governador. Já o deputado tucano e presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni, começa a demonstrar sua preferência por Fruet.

Fracasso

O PMDB de Curitiba chega às eleições municipais de 2012 com a missão de melhorar a imagem do partido na cidade, depois da última eleição frustrada, na qual o escolhido por Requião para ser candidato do partido, o ex-reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Carlos Augusto Moreira Júnior, obteve apenas 1,5% dos votos.

A mensagem de Requião pode começar a delinear um quadro para Curitiba em 2012, já que o seu nome pressupõe a entrada de um adversário de peso para concorrer à prefeitura, que hoje aponta mais para Fruet do que para Ducci.

    Leia tudo sobre: ParanáRoberto Requiãoeleições 2012Curitiba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG