Com chuva, bairro no litoral do Paraná pode ruir, dizem técnicos

Em Antonina, as mil casas de Portinho estão sob risco porque ficam, segundo os geólogos, em uma área frágil da cidade

Luciana Cristo, iG Paraná |

Uma semana depois das fortes chuvas que atingiram o litoral do Paraná, técnicos e geólogos ainda trabalham na análise da estrutura das casas que foram rachadas ou destruídas. No município de Antonina, um bairro inteiro, o Portinho, onde havia mais de mil casas, pode estar comprometido.

iG
Ponte foi derrubada pela força da chuva que atinge o litoral do Paraná

Toda a região é considerada frágil, de acordo com análise do geólogo da empresa Minerais do Paraná (Mineropar), Diclécio Falcade, e por isso o trabalho é feito de maneira criteriosa. A equipe dos geólogos sobrevoou a região nesta sexta-feira. “O bairro fica entre a encosta de um morro e a rua que fica um pouco acima do nível do mar, onde há várias rachaduras”, explica o geólogo. Não há previsão de quando os laudos de infraestrutura devem ser concluídos.

Por causa de um soterramento de terra, duas pessoas morreram soterradas em Antonina. Até agora, 321 pessoas estão em abrigos públicos da cidade, de um total de 1,1 mil desabrigados. “Estamos aguardando um relatório conclusivo para fechar nossos cálculos de prejuízos. Dependendo disso, nossa necessidade pode variar de 80 a 100 casas afetadas, que é o que temos hoje, para 1.000 residências de todo o bairro do Portinho”, afirma o prefeito de Antonina, Carlos Augusto Machado.

Nesta sexta-feira, o governo estadual anunciou que um mutirão de serviços vai ajudar a população atingida pelas enchentes a refazer documentos e cancelar faturas de luz, a partir da semana que vem. Os moradores já podem se cadastrar nas prefeituras dos municípios litorâneos

Falta de água

A região mais atingida com a falta de água é Paranaguá, que teve o sistema devastado pela enxurrada, o que acarretou no desabastecimento de toda a cidade. Equipes da Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) trabalham na desobstrução de vias que dão acesso às represas que abastecem Paranaguá.

A concentração do trabalho está na abertura de estradas na comunidade de Santa Cruz, onde está localizada a represa responsável por 25% do abastecimento de água de Paranaguá. De acordo com o diretor técnico da Codapar, Sinval Reis, por causa da dificuldade de acesso aos locais de captação, as equipes responsáveis pelo restabelecimento dos serviços de água não tinham como chegar aos mananciais.

Após a retirada dos entulhos das vias de acesso foi possível deslocar pessoal técnico da Companhia de Águas do Brasil, responsável pelo fornecimento de água em Paranaguá, para fazer os reparos das tubulações. E, com a instalação de uma balsa e uma estrutura emergencial montada no Rio Miranda durante esta semana, o abastecimento está sendo restabelecido parcialmente em alguns dos bairros da cidade.

Doações

Os donativos de mais necessidade no momento para a população do litoral são materiais de limpeza,como vassouras, baldes, rodos, panos de chão, sabão em pó e água sanitária. As doações podem ser entregues nos quartéis do Corpo de Bombeiro ou nas redes de supermercado Big, Mercadorama, Condor e Mufatto do Paraná.

    Leia tudo sobre: AntoninaParanáchuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG