Dois presos são decapitados durante rebelião em presídio do Paraná

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presos pedem melhores condições de estrutura, alimentação e higiene; muitos estão feridos, e três foram levados para hospital

Divulgação/Departamento de Execução Penal do Paraná
Estabelecimento penal de regime fechado e custódia masculina, Penitenciária Estadual de Cascavel, no Paraná, enfrenta rebelião violenta neste domingo (24)

Desde o início da manhã deste domingo (24), uma violenta rebelião toma conta da Penitenciária Estadual de Cascavel, a 498 km de Curitiba, no Paraná. De acordo com o Departamento de Execução Penal do Estado, dois presos foram decapitados. Mais cedo, três outros detentos foram jogados do telhado da instituição.

Entre os presos mortos pode estar um ex-policial civil preso na delegacia de Cascavel, suspeito de furtar peças de veículos apreendidos e vender. De acordo com o Depen, o ex-policial estava entre os reféns, mas ainda não foi confirmado se ele foi um dos decapitados.

Dois agentes penitenciários foram feitos reféns, e há registro de vários presos feridos, muitos deles agredidos com pedaços de paus. O Corpo de Bombeiros informou que três vítimas com ferimentos graves foram atendidas e encaminhadas para o Hospital Universitário.

Segundo a Secretaria de Justiça, 60% do presídio está tomado pelos rebelados, que atearam fogo em colchões e estenderam uma faixa da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) no telhado do presídio. 

A Polícia Militar cercou o presídio e está negociando com participação de representantes do governo do estado e da Vara de Execução Penal. Os presos reclamam de más condições do presídio, da alimentação que recebem e da higiene local; há também queixa contra uma suposta agressividade dos agentes. Mas a polícia não descartou a possibilidade de o motim ter sido motivado por uma briga entre facções rivais dentro da penitenciária.

São exigidas a presença de um desembargador do Tribunal de Justiça e da imprensa dentro do presídio; um juiz da Comarca de Cascavel se deslocou até a unidade penitenciária para uma tentativa de negociação. Até o momento, no entanto, não há previsão para o fim da rebelião.

De acordo com o Depen, o presídio foi depredado e houve queima de colchões, mas ainda não é possível avaliar a extensão dos estragos. Ainda segundo o Depen, o presídio tem capacidade para 1.182 presos e abriga 1.040.

Na última segunda (18), outra penitenciária do Paraná, a de Foz do Iguaçu, já havia sido palco para um princípio de motim. Na ocasião, um agente penitenciário foi feito refém, mas ninguém ficou ferido.

Com Agência Brasil.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas