Médica acusada de matar pacientes em UTI se apresenta a tribunal do Paraná

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Como condição para ser libertada da prisão, Virgínia Soares de Souza tem obrigação de ir ao órgão mensalmente. Ela é acusada de homicídio qualificado e formação de quadrilha

Agência Estado

Futura Press
Médica Virgínia Soares de Souza

A médica e ex-chefe da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Geral do Hospital Evangélico de Curitiba, Virgínia Soares de Souza, de 56 anos, se apresentou nesta quarta-feira (27) ao Cartório Judicial da 2.ª Vara do Tribunal de Júri da capital do Paraná para cumprir uma obrigação de comparecimento mensal que lhe foi imposta pelo juiz Daniel Surdi de Avelar, responsável pela liberação dela no dia 20, depois de ter sido presa em 19 de fevereiro, sob a acusação de homicídio qualificado e formação de quadrilha.

O Ministério Público (MP) paranaense, porém, entrou com recurso para que Virgínia - acusada, com mais sete pessoas, de matar pacientes na UTI - volte para a prisão. De acordo com o advogado da médica, Elias Mattar Assad, a apresentação foi realizada nesta quarta-feira por precaução. "Esta apresentação referente ao mês de março foi feita nesta quarta-feira por cautela da defesa, pois, após as 18 horas, inicia-se o recesso judiciário de feriado de Páscoa. Feita a apresentação e extraída a certidão, encerrou-se a cerimônia judicial", afirmou, em nota.

Leia mais: Ministério Público quer nova prisão de médica acusada de matar pacientes

O MP também pediu ao Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Nucrisa) a instauração de um inquérito para investigar os ex-diretores do Hospital Evangélico. A entidade alegou não ter sido comunicada oficialmente e não se pronunciou a respeito do novo processo.

Além das sete mortes que originaram o indiciamento de Virgínia e mais sete pessoas, a médica é suspeita de ter provocado a morte de mais 21 pessoas, cujos prontuários estão sendo analisados.

Nesta terça-feira (26), o presidente da Associação de Medicina Intensiva (Amib), José Mario Telles, disse, por meio de nota, que a situação deveria ter "uma avaliação ou declaração de um especialista em medicina intensiva independente, solicitada pelo juiz, pela promotora ou pela auditoria do Ministério da Saúde, que tivesse uma visão completa dos casos", concluiu.

Leia tudo sobre: curitibamédicahomicídioUTIHospital Evangélico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas