Beira-Mar é transferido para presídio de Catanduvas no Paraná

Traficante já passou por cinco Estados nos últimos anos. Operação faz parte de rodízio de presos perigosos entre as penitenciárias de segurança máxima do País

Agência Estado |

Agência Estado

Em meio a rumores de que estaria rearticulando um esquema para comandar sua rede criminosa, o traficante Fernandinho Beira-Mar foi transferido na quinta-feira (20), pela terceira vez, para a Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná. Depois de passar por cinco Estados nos últimos anos, ele estava encarcerado desde fevereiro no presídio federal de Porto Velho (RO), onde a inteligência policial detectou indícios da presença de possíveis comparsas do traficante estabelecendo-se na cidade.

Mais: Polícia paraguaia investiga se Beira-Mar enviaria 329 kg de cocaína para Itália

O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) informou que o rodízio de presos perigosos faz parte de uma política regular adotada nos últimos anos nos presídios federais de segurança máxima. Um dos objetivos é impedir que eles criem vínculos com outros detentos ou viabilizem meios de comandar seus negócios de dentro da prisão, com auxílio de parentes ou advogados.

Na quinta-feira (20), além de Beira-Mar, outros 108 presos mudaram de endereço, em uma megaoperação que mobilizou 23 agentes, dois aviões e diversas viaturas. Forte esquema de segurança foi montado para a escolta do traficante desde o Aeroporto de Cascavel, onde o avião do Depen pousou, até Catanduvas, a 55 km.

Leia mais sobre o Beira-Mar:

- Traficante ligado a Beira-Mar é preso no Paraguai
- Empresas de Beira-Mar movimentaram R$ 62 milhões em um ano
-  Medo de jurados de Caxias leva Justiça a mudar processo de Beira-Mar para o Rio
Empresária do PR é suspeita de lavar dinheiro da quadrilha de Beira-Mar
-
Bens de Fernandinho Beira-Mar são sequestrados

Outros presídios federais também tiveram um dia movimentado. O de Porto Velho, de onde saiu Beira-Mar e outros oito detentos, recebeu 19 presos transferidos de outras unidades. No de Mossoró (RN), saíram 11 e chegaram 11, enquanto o de Campo Grande (MS) recebeu 43 e despachou 15.

A tática do rodízio é adotada desde 2008, quando o governo abortou planos de atentados arquitetados por Beira-Mar e o traficante colombiano Juan Carlos Abadía. Eles se uniram aos maiores ladrões de banco do País no presídio federal de Campo Grande para aterrorizar juízes que atuavam nos seus processos e autoridades que poderiam atrapalhar seus negócios milionários. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG