Portadores de HIV fazem arteterapia para superar a depressão

O Museu Lasar Segall, na zona sul da capital paulista, é o ponto de encontro semanal do grupo de oito portadores de HIV em tratamento no Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Longe de hospitais, eles se reúnem para mais uma sessão de arteterapia, que funciona lá desde 2005.

Agência Estado |

A oficina de aquarela foi uma forma para dar tranquilidade a essas pessoas que, além de soropositivas, têm distúrbios psicológicos. Algumas com ansiedade ou depressão. Outras com algo mais sério. A psicóloga do grupo, Maria Urbanovick, prefere definir como “sofrimentos mentais”. Imagine como é, para uma pessoa com algum desses problemas, receber a notícia? Como os integrantes do grupo têm mais de 40 anos, alguns pegaram a fase dos anos 80 em que o preconceito e a desinformação eram grandes e os coquetéis de drogas ainda não existiam.

“Muitos entram em crise”, diz a psicóloga. “E passam a se desvalorizar.” Daí a ideia de juntar essas pessoas e usar a arte para que expressem seus sentimentos. No fim do ano e em datas especiais, os alunos expõem no museu. “Alguns conseguem vender quadros”, diz a psicóloga, Maria. Para os pacientes, a pintura ajuda resolver conflitos pessoais e também oferece uma forma de aceitar a própria condição. As informações são do Jornal da Tarde .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG