Por R$ 20 mil, elas realizaram o sonho de ser mãe

SÃO PAULO ¿ Nos últimos cinco anos, a procura pela Fertilização in Vitro (FIV), popularmente conhecida como ¿bebê de proveta¿, cresceu cerca de 50%. Atualmente um em cada cinco casais sofre de infertilidade no Brasil, explica a Dr. Silvana Chedid, especialista em reprodução humana e diretora da Clínica Chedid Grieco.

Carolina Garcia, do Último Segundo |

Com isso, o sonho de ser mãe custa caro para algumas mulheres, que ao se depararem com a dificuldade de gerar um filho utilizam a tecnologia para viver a sua maior realização ¿ a maternidade.

De acordo com o Dr. Luis Eduardo Albuquerque, há 18 anos especialista em reprodução humana e diretor do Centro de Reprodução Humana Fertivitro, a mulher possui uma vida reprodutiva relativamente curta, que varia de 35 a 37 anos. Portanto, quanto mais avançada a idade, menor a chance de engravidar.

Um casal tem 80% de chance de conseguir um filho pelo ciclo normal da mulher. Dos outros 20%, 95% podem ser inférteis. Antes de procurar um médico, o casal deve tentar pelo modo natural sem métodos contraceptivos e com relações sexuais freqüentes (2 a 3 vezes por semana) durante um ano. Após este prazo, deve procurar um especialista, afirmou Albuquerque.

Assim aconteceu com Heleni Oliveira, de 33 anos, e Jâmia Maria Melo, 49, que, por não conseguirem conceber de modo natural, procuraram por tratamentos de fertilidade. Ambas gastaram cerca de R$ 20 mil nos tratamentos, entre eles, a FIV.

Na terceira tentativa

Arquivo pessoal
Heleni com seu filho Lukas

Heleni é casada há quatro anos e mora atualmente em Novai, no Estado de Michigan (EUA). Após um ano de casamento, ela e o marido, Sérgio Ricardo Oliveira, decidiram ter um filho. Tentamos durante um ano. A princípio achei que o problema fosse a nossa idade, afirmou. Porém, após realizarem exames de fertilidade, descobriram que Sérgio produzia uma quantidade baixa de espermatozóides. Como a inseminação artificial é bem mais barata nos EUA, decidimos tentar. Ao todo fiz três inseminações, mas nenhuma deu resultado, disse Heleni.

Em setembro de 2006, Heleni decidiu voltar para o Brasil para realizar a Fertilização na clínica indicada pela sua cunhada. Meu marido só podia ficar no Brasil durante 15 dias, por isso ele teve que congelar o esperma e ir embora. Fiquei sozinha por três meses. Foi um período muito difícil, o emocional fica muito abalado, pois quando a gente vai pra clínica, encontramos várias mulheres chorando pelo fracasso das tentativas.

Como Heleni não reagia aos hormônios, não ovulando o necessário, teve que repetir o tratamento três vezes. A última tentativa gerou dois óvulos, o que seria extremamente fraco para uma possível fertilização. Algumas mulheres conseguiam gerar 15 óvulos e eu apenas com dois, mas mesmo assim não desisti. Pedi para o médico tentar só com aqueles dois.

Foi quando Heleni começou a sentir cólica e mal-estar. Depois de 15 dias, decidiu fazer um exame de sangue em que foi comprovada a gravidez. Fiquei muito emocionada, e o mais engraçado é que o meu vôo para os EUA estava marcado para o dia seguinte. Ao retornar aos EUA se surpreendeu com a recepção calorosa do marido, com direito a faixas e roupas de bebê. Foi lindo, decidimos fazer um encontro com vários amigos, que comemoraram comigo esta conquista.

Com 20 semanas de gestação, Heleni descobriu que esperava um menino, o Lukas, agora com 8 meses. No final de todo o processo, Heleni calculou que gastou R$ 15 mil por todos os tratamentos, mas garante que se precisasse passaria por tudo novamente.

Após tantas tentativas, Heleni realizou o seu sonho e, neste domingo, passa o 1º Dia das Mães como uma mãe realizada. Já se passaram oito meses e mesmo assim ainda choro. Às vezes, quando o Lukas está quase dormindo, reparo que sem querer começo a chorar. Não tem como descrever o sentimento de uma mãe.

Mãe, aos 49 anos

Arquivo pessoal
Jâmia e seu filho João

Desde criança sonhava com uma família grande. Tenho quatro irmãos, por isso queria uma família igual pra mim, sempre sonhei com a idéia de ter quatro filhos, afirma Jâmia. Até o nascimento de José Ângelo, Jâmia passou por um longo caminho. Ela e seu marido, José Altamir Aguiar, tentaram por quatro anos terem um filho, mas, sem sucesso, foram para uma clínica especializada. Acho que o principal motivo da dificuldade de engravidar era a minha idade. Não tinha como, precisava de um auxílio médico.

O fator familiar também influenciou Jâmia, ao ver toda a sua família contra a idéia de ter um bebê de proveta. Minha família é contra este método. Tive que deixar todos parar ter a minha própria família. Fui atrás do meu sonho.

Jâmia acredita que o fator psicológico influenciava no sucesso do tratamento. Foi um processo muito difícil pra mim, a ansiedade toma conta da gente. Durante o tratamento, o apoio de psicólogos é fundamental. Sempre cuidei de todos em casa, mas quando pensei na minha realização pessoal, minha família virou um inferno. Por isso tive uma gravidez complicada, cheguei a ficar de cama em casa, mas mesmo assim nunca recebi uma visita.

Ao todo, Jâmia fez uma inseminação e duas fertilizações in vitro. A última tentativa gerou quatro óvulos, e destes quatro apenas um fecundou - o João Ângelo que neste mês completa dois meses de vida.

Passar o 1º Dia das Mães na condição de mãe, com o filho ao seu lado, significa uma superação. Felicidade suprema. Assim que eu resumo o clima que cerca a minha casa. Sempre sonhei em passar o Dia das Mães como mãe. Posso dizer que foi a maior realização da minha vida.

Todos os tratamentos custaram cerca de R$ 20 mil. Eu já tinha idéia de quanto gastaria, até vendi um terreno que eu tinha. O preço nunca importou, eu iria encarar de qualquer jeito, afirmou.

    Leia tudo sobre: dia das mãesfertilizaçãomaternidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG