Por acidente, Ministério Público quer ex-deputado do Paraná na Justiça comum

O Ministério Público do Paraná enviou nesta terça-feira ao Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná o inquérito que apura o acidente envolvendo o ex-deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho, que se afastou do PSB, renunciando ao cargo, sendo assim, remetido à Justiça comum. No pronunciamento preliminar, os promotores da Assessoria Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça sustentam que, em tese, o caso configura-se como duplo homicídio com dolo eventual.

Redação com Agência Estado |

No acidente ocorrido na madrugada do dia 7 de maio, Carli Filho chocou seu automóvel contra outro dirigido por Gilmar Rafael Souza Yared, que tinha como acompanhante Carlos Murilo de Almeida. Os dois morreram na hora.

Divulgação
Carli Filho segue internado
Exames mostraram que o então deputado, que renunciou no fim da semana passada, estava embriagado. Testemunhas disseram que ele estava em alta velocidade. Carli Filho tinha sua Carteira Nacional de Habilitação irregular desde o meio do ano passado, em razão de 30 multas que somaram 130 pontos.

Ao renunciar ao mandato, Carli Filho perdeu o foro privilegiado, que lhe garantia ter o inquérito presidido por um desembargador do TJ. Em razão disso, a Procuradoria Geral de Justiça manifestou-se para que o caso passe a ser acompanhado pela Promotoria de Justiça que trata dos inquéritos envolvendo crimes dolosos contra a vida.

Segundo o MP, até agora foram ouvidas 26 pessoas. Entre os depoimentos, estão alguns de pessoas que disseram que Carli Filho foi advertido de que não teria condições de dirigir, mas teria assumido o risco.

Há duas semanas, 500 pessoas, entre familiares e amigos das vítimas, realizaram uma passeata em Curitiba para pedir justiça e pressionar os deputados estaduais a cassarem o mandato de Carli Filho.

Leia mais sobre: deputado Carli Filho

    Leia tudo sobre: carli filho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG