rebatizada de gripe A H1N1 pela OMS), montado no Rio de Janeiro. A população não precisa entrar em pânico, garantiu." / gripe suína - Brasil - iG" / rebatizada de gripe A H1N1 pela OMS), montado no Rio de Janeiro. A população não precisa entrar em pânico, garantiu." /

População não precisa entrar em pânico, diz ministro da Saúde sobre gripe suína

RIO DE JANEIRO - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, tentou tranquilizar a população nesta sexta-feira durante uma visita ao Centro de Operações de Emergência para gripe suína (http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/04/30/oms+decide+mudar+nome+da+gripe+suina+5867916.html target=_toprebatizada de gripe A H1N1 pela OMS), montado no Rio de Janeiro. A população não precisa entrar em pânico, garantiu.

Anderson Dezan, do Último Segundo |

"A população não deve se automedicar e acreditar em mágica. As pessoas não devem tomar qualquer decisão terapêutica sem ouvir o médico porque podem estar mascarando os sintomas", disse Temporão. Hoje, o Estado do Rio têm um caso confirmado, três suspeitos e um em monitoramento. Em todo o Brasil, são quatro casos confirmados . No mundo, o número de casos já é de 2.500 .

Além do ministro, participaram da visita ao centro de operações o governador Sérgio Cabral e o prefeito do Rio, Eduardo Paes. Nesta sexta-feira, o governo anunciou as medidas que serão tomadas pelo grupo de trabalho formado por técnicos do Estado e do Município para conter o vírus da "gripe suína".  

AE

Entidades médicas preparam profissionais para combate à "gripe suína

A instalação do Centro de Operações é considerada uma das principais medidas adotadas pelo Gabinete Integrado de Emergência para Gripe, criado há duas semanas pelas secretarias estadual e municipal de Saúde e Defesa Civil para o combate à "gripe suína".

Foram definidos quatro hospitais de referência para internação de possíveis doentes: o Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (Ipec/Fiocruz), Instituto Estadual de Infectologia, localizado no Iaserj Central, o Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e o Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ao todo, neste momento, são 100 leitos disponibilizados.

Segundo Temporão, o paciente do Rio continua internado e assim deve continuar enquanto terminar o período em que ele possa transmitir o vírus. Os resultados dos exames dos três casos suspeitos existentes no Estado devem sair até o final desta sexta-feira.

"Os casos já estão sendo investigados e estamos aguardando os resultados em quatro laboratórios. Assim que saírem os resultados, vamos atualizar o boletim e confirmar se são positivos ou não", declarou.

De acordo com o ministro, o paciente do Rio confirmado com a gripe chegou ao Brasil no dia 3 de maio, através de uma escala em São Paulo. Ele recebeu informações no aeroporto e foi orientado a procurar alguma unidade médica caso apresentasse sintomas. Temporão acrescentou que o paciente passa bem.

"A família está sendo acompanhada, orientada, e monitorada. As secretarias municipal e estadual de saúde estão acompanhando de perto os contactantes deste caso, da mesma forma que em São Paulo e Minas Gerais estão sendo seguidos os protocolos", disse.

Paes e Cabral também afirmaram que não há razão para pânico em relação à gripe suína. "Estamos no caminho certo para enfrentar uma doença que ainda é um enigma no mundo", disse Cabral. "Eu saio daqui seguro. Tranquilo, não. Porque evidentemente qualquer questão de saúde tem que nos deixar alerta", completou.

Segundo Paes, "ninguém precisa mudar a sua atitude e a maneira de como lida com o dia a dia. A situação está devidamente monitorada".

Testes

Além do esquema de atendimento em hospitais para o isolamento do vírus, os novos kits de testes , que chegaram dos Estados Unidos, são essenciais para diagnósticar os casos suspeitos. Foi por meio deles que os quatro primeiros casos no Brasil foram detectados. Ainda nesta sexta-feira, o ministro acredita que outros 15 casos suspeitos poderão ser esclarecidos.

De acordo com o ministério, quando um caso de suspeita é investigado, as pessoas em contato são interrogadas em casa e são monitoradas por dez dias, por telefone, a partir da data de identificação de suspeita de um paciente com "gripe de suína". Elas recebem informações de higiene e são aconselhadas a permanecer em casa por dez dias como medida de prevenção, além de manter a casa arejada e utilizar máscaras. Se o caso suspeito for descartado, o monitoramento acaba.

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Associação Médica Brasileira lançam nesta sexta-feira, em São Paulo, orientações para os profissionais de medicina sobre o combate à "gripe suína". Trata-se de uma espécie de protocolo para a prática eficaz no diagnóstico, acompanhamento e tratamento de pacientes, além de prevenção.

Paciente isolado com gripe suína no Rio

Gripe suína chega a São Paulo

(*Com informações da agência Estado)

Leia também:

Entenda a "gripe suína"

Leia mais sobre: gripe suína

    Leia tudo sobre: gripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG