Pomar Urbano completa 10 anos de ações na Marginal Pinheiros

SÃO PAULO ¿ Em 2009, o Pomar Urbano completa 10 anos de atuação nas margens do Rio Pinheiros, na zona sul de São Paulo. A iniciativa, inicialmente chamada de Projeto Pomar, tem como objetivo recuperar a flora original de uma das regiões mais poluídas da cidade.

Marina Morena Costa, repórter do Último Segundo |

O projeto, que conta com recursos do poder público e da iniciativa privada, já modificou a paisagem de 22 quilômetros das margens do Rio Pinheiros. Segundo Fernanda Bandeira de Mello, coordenadora do Pomar Urbano, uma das principais conquistas da iniciativa é colaborar para a consciência ambiental  da população e a apropriação do espaço público.

Confira a entrevista com a coordenadora do Projeto:

AE
Marginal Pinheiros, em São Paulo
Marginal Pinheiros, em São Paulo

Último Segundo - Este ano o Pomar Urbano completa 10 anos de ação em uma das regiões mais degradas da cidade de São Paulo. Quais são as causas dessa longevidade?

Fernanda Bandeira de Mello - A qualidade técnica do projeto é fundamental. As espécies plantadas são escolhidas de forma a favorecer tanto a flora original da região do Rio Pinheiros quanto a fauna. Há uma intrínseca relação entre flora e fauna e com isso a gente pode trazer às margens do rio algumas espécies que habitavam a região anteriormente. Outro ponto muito importante é o caráter social do empreendimento. Ele conta com a mão de obra de bolsistas. Pessoas que não tem nenhuma formação são cadastradas pela Secretaria de Trabalho e recepcionadas no Pomar Urbano, onde recebem treinamento e saem de lá capacitadas em jardinagem.

Último Segundo - Como funciona a parceria com a iniciativa privada?

Fernanda Bandeira de Mello - As empresas e empreendedores interessados adotam trechos da margem do rio e fazem a implantação do Pomar Urbano e a manutenção. O período de tempo é variável, temos contratos de um a três anos. A secretaria apresenta o escopo técnico, e as empresas entram com a execução. Nós entregamos o projeto e eles implantam e fazem a manutenção.

Divulgação
Pomar Urbano na margem do rio
Último Segundo - Quais são os desafios para o Pomar Urbano?

Fernanda Bandeira de Mello - O desafio direto para o Pomar Urbano é concluir todas as áreas de adoção disponíveis. Temos dez novas áreas [cada uma tem um quilômetro de extensão] para serem adotadas. O segundo desafio é transferir este conhecimento adquirido para outros rios urbanos da região metropolitana de São Paulo e do Estado.

Último Segundo - Como você avalia a participação da iniciativa privada em projetos ambientais?

Fernanda Bandeira de Mello - Além da questão financeira, tem o engajamento da população. Acredito que as parcerias entre o poder público e a iniciativa privada são muito importantes para a apropriação do espaço público. Os nossos parceiros promovem atividades no Pomar Urbano, não só adotam a área, como os funcionários são convidados a visitar o local para prestar serviços comunitários e conhecer as atividades do local. Pra nós isso é muito importante, pois amplia a educação ambiental.

"O desafio é transferir este conhecimento adquirido para outros rios urbanos da região metropolitana de São Paulo e do Estado"

Último Segundo - Como funcionam as visitas?

Fernanda Bandeira de Mello - A compostagem [reciclagem do lixo para uso como adubo agrícola] é aberta ao público. Todo o corte e poda de árvores da Marginal é encaminhado para o Pomar Urbano onde o material é compostado para retornar ao solo como adubo. Alem disso, recuperamos a água do rio Pinheiros por um processo de flotação, para usar no pomar. Recebemos visitas de escolas que acompanham estes processos e fazem atividades de jardinagem na estufa do Pomar. Conseguimos ampliar muito o grau de interação com as pessoas. Com estas atividade, motivamos a sociedade a atuar em prol da preservação ambiental.

Último Segundo - Você percebe um aumento da consciência ambiental da população?

Fernanda Bandeira de Mello - Muitas pessoas levam suas plantas, ou para a gente ajudar a tratar ou para plantar no Pomar. Desde o início do projeto até hoje, o engajamento da população é muito grande. Às vezes recebemos visitas de pessoas que passam pela sede, se interessam em saber como é e entram. Registramos um número cada vez maior de pessoas preocupadas com a preservação do meio ambiente. Isso dá pra perceber sim.

Último Segundo - Como a população faz para visitar o Pomar Urbano?

Fernanda Bandeira de Mello - As visitas no Pomar Urbano são agendadas, mas nada impede que uma pessoa que esteja passando de carro entre para conhecer e conversar com os técnicos. As escolas não precisam de intermediários, elas ligam para o Pomar, agendam uma visita e nós nos encarregamos de recepcionar os alunos e promover atividades de educação ambiental.

Último Segundo - Por que o Projeto Pomar passou a ser chamado de Pomar Urbano?

Fernanda Bandeira de Mello - A gente entende que o Projeto Pomar atingiu a maturidade e não é mais um projeto e sim uma atividade em curso. Em 2008, ele foi repaginado, tivemos novos parceiros que adotaram mais áreas das margens do rio. Por isso ele foi promovido ao nome de Pomar Urbano.

    Leia tudo sobre: marginal pinheirosprojeto pomar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG