Políticos antiaborto criticam arcebispo por excomunhão

RECIFE - Mesmo congressistas contrários ao aborto criticaram nesta quarta-feira a atitude de d. José Cardoso Sobrinho, arcebispo de Olinda e Recife, que tornou pública, semana passada, a excomunhão automática da equipe médica que interrompeu a gravidez de uma menina de 9 anos, violentada pelo padrasto havia três anos. A mãe da garota também foi alvo da sanção, por autorizar o procedimento.

Agência Estado |

Parlamentares que participaram na quarta-feira de um encontro de legisladores pela vida foram unânimes ao condenar o aborto a que foi submetida a menina. Porém, eles ponderaram que a excomunhão é uma pena extrema diante da excepcionalidade do caso.

O deputado católico Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) colheu assinaturas para o pedido de reconsideração, que vai encaminhar ao clérigo. Estudioso do direito canônico, Coutinho citou artigos atenuantes do próprio Código de Direito Canônico. Um deles fala em estado de necessidade. A ideia causou nova polêmica.

O deputado Doutor Talmir Rodrigues (PV-SP) pediu que os colegas retirassem as assinaturas. Ele disse que a menina poderia ser bem acompanhada e ter feito cesariana prematura, se fosse necessário, o que salvaria a vida das crianças e da mãe. Representantes dos Conselhos Regionais e Sindicatos de Medicina do Nordeste divulgaram nota de apoio à conduta da equipe da equipe médica ao realizar o aborto na menina. Tal procedimento caracteriza um aborto legal, correto e irrepreensível do ponto de vista técnico e ético, diz o texto.

(Com informações do jornal "O Estado de S. Paulo")

Leia também:


Opinião:

Leia mais sobre: abuso sexual

    Leia tudo sobre: olindapadrerecife

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG