SÃO PAULO - Uma ocorrência mudou a rotina de policiais militares de Araraquara que faziam ronda na altura do km 374 da rodovia Washington Luiz, na madrugada desta quarta-feira. Eles foram chamados para ajudar no parto de uma jovem de 18 anos que passava de carro com seu pai pelo local. A criança nasceu prematura, mas tanto ela como a mãe passam bem.

O avô da criança parou o veículo em uma base rodoviária da Washington Luiz, a 273 km da capital paulista, para pedir ajuda ao notar que sua filha estava em trabalho de parto. Os policiais avaliaram que não daria tempo de levar a jovem Angela Militão até um hospital e decidiram fazer o parto.

Divulgação
Criança nasceu prematura, mas passa bem
Imaginei que teria de transportar a mãe até o hospital mais próximo dali. Mas logo vi os pés do bebê saindo e me dei conta de que teríamos de fazer um parto de risco, afirmou, o soldado Daniel Aparecido Garcia, de 33 anos. De acordo com ele, a criança nasceu desmaiada e precisou ser reanimada.

Assumimos a situação e fizemos o possível, pois se demorarmos demais nesses casos a criança não consegue respirar, afirmou. Auxiliei no parto porque tenho também formação de técnico em enfermagem e o soldado Flávio, que estava comigo, já trabalhou na área hospitalar.

Em função da complexidade do caso, os policiais cortaram o cordão umbilical e pediram para a Central de Operações da PM avisar ao Hospital Santa Casa que estavam levando o bebê. A criança nasceu prematura de oito meses, com 44 centímetros, pesando 2,440 quilos e ganhou o nome de Ana Carolina.

Daniel contou que tem um filho de sete anos e, embora tenha acompanhado o nascimento do menino, ainda não havia realizado nenhum parto. Passou um filme na minha cabeça do nascimento de meu filho. A sensação de trazer uma vida de volta é muito boa. Conseguimos salvar o bebê, disse, orgulhoso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.