Polícia vai investigar agressão em rodoviária no interior de SP

A Polícia Civil de São José do Rio Preto, a 440 quilômetros de São Paulo, vai abrir inquérito para apurar o espancamento de um homem dentro da rodoviária por três seguranças da Empresa Municipal de Urbanismo (Emurb), que administra o terminal. A agressão, ocorrida na seginda-feira, foi registrada pelas câmeras do circuito interno de TV.

Agência Estado |

As imagens mostram o vendedor Paulo Dias, de 39 anos, sendo imobilizado por um dos seguranças, enquanto outros dois o espancam com chutes, socos e pauladas.

Um dos seguranças chega a quebrar um cabo de vassoura de tanto bater no vendedor, que não resiste e caiu no chão. As cenas também foram presenciadas por pessoas que estavam no local e registrada pelo cinegrafista Osmir Gomes, da TV TEM.

Este seria o segundo caso de violência entre seguranças e usuários do terminal. Em outubro de 2009, o auxiliar de enfermagem Jurandir da Silva e Souza, de 57 anos, morreu supostamente após ser golpeado, dentro terminal, por outro segurança.

No final da tarde desta terça-feira, a Emurb anunciou a demissão de quatro seguranças, entre eles o chefe da Vigilância do terminal.

"Eles disseram que o usuário os agrediu primeiro e que tentaram se defender, mas não podemos aceitar este tipo de reação", disse o presidente Emurb, Fernando Lucas. Segundo ele, um dos seguranças foi demitido por justa causa.

O delegado Mauro Truzzi Otero, do 1º DP, ouviu depoimento de Dias. O vendedor disse que havia chegado de Frutal (MG) e estava na rodoviária assistindo TV quando percebeu que sua filha, de nove anos, havia sido agarrada pelo braço por um segurança. Ao tirar satisfação, foi imobilizado e agredido pelos seguranças.

"Ele estava com marcas pelo corpo, por isso pedi exame de corpo delito", contou Otero. Segundo o delegado, as imagens vão servir para ele saber se os seguranças agiram com abuso de autoridade. "Estou requisitando o relatório da sindicância da Emurb e as imagens para instruir o inquérito que vai apurar crimes de abuso de autoridade e lesões corporais", disse. Na sindicância, os seguranças disseram que Dias foi quem iniciou as agressões usando um cabo de vassoura, que depois foi usado por um dos seguranças para espancá-lo.

O vendedor pode ter sido confundido com mendigo. De acordo com o presidente da Emurb, testemunhas ouvidas na sindicância disseram que ele estava mendigando no terminal. A mendicância é combatida e proibida no local. "As imagens também mostram que ele pediu coisas para as pessoas. A gente sabe que não tem como evitar, mas os seguranças não podem reagir desta maneira".

O presidente da Emurb também disse que no caso ocorrido em outubro, o segurança não agrediu o auxiliar de enfermagem, que teria morrido após sofrer uma queda e bater com a cabeça no chão. "O que ocorreu foi que o cidadão possivelmente estava sob efeito de algum produto químico já que tomava remédios fortes", disse Lucas.

O delegado Otero disse não saber em qual estágio se encontra esse caso porque assumiu a delegacia há pouco tempo. A reportagem não conseguiu contato com Dias, que segundo a polícia, mora em Prata (MG) e não possui telefone.

    Leia tudo sobre: agressão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG