Polícia vai analisar imagens para investigar mortes de PMs no Rio

RIO DE JANEIRO ¿ A delegada da 15ª DP (Gávea), Bárbara Lomba Bueno, disse nesta quinta-feira que gravações do circuito interno de TV de alguns prédios e imagens das câmeras da Prefeitura do Rio serão utilizadas nas investigações das mortes dos policiais militares, na Lagoa, zona Sul da cidade.

Redação |

  • Tiroteio mata pai e fere filha no Rio
  • PMs são metralhados e mortos dentro de carro no Rio
  • Combate à violência vai continuar no Rio, afirma Cabral
  • Moradores sentem-se acuados após assassinato de policiais
  • Quadro de saúde de menina baleada em operação da polícia no Rio é estável
  • AE
    Viatura foi atingida por 18 tiros
    A perícia realizada na viatura onde estavam os dois PMs identificou 18 marcas de tiro feitas por balas de diferentes calibres. As duas pistolas e um fuzil que estavam com as vítimas foram levados pelos assassinos. Segundo a delegada responsável pelas investigações, não há indícios de que a morte dos policiais tenha relação com o confronto ocorrido no conjunto habitacional Cruzada São Sebastião, no Leblon.

    Policiais fuzilados

    O sargento Joel de Almeida Gomes e o cabo Francisco Alves Pereira Júnior, do 23º BPM (Leblon), foram fuzilados dentro de uma viatura da PM que estava estacionada na rua Fonte da Saudade, na Lagoa, por volta das 6h desta quinta-feira.  A execução foi cometida por dois homens que desceram de um Honda New Civic chumbo e dispararam pelo menos 18 tiros de fuzil e pistola.

    Após os tiros, os bandidos fugiram em direção ao Humaitá. Segundo testemunhas, os bancos do veículo das vítimas estavam reclinados, indicando que os PMs poderiam estar dormindo na hora. Eles não tiveram tempo de reagir. De acordo com policiais do 23º BPM, o sargento morto ficou irreconhecível com a quantidade de tiros que levou no rosto. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML).

    Veja também:

    Leia mais sobre: violência no Rio


      Leia tudo sobre: assassinatomortepmpoliciaispolícia militarrioviolência

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG